escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
04 de junho de 2014, 16h55

#NaoVaiTerAgua: Movimentos denunciam omissão de Alckmin na frente da Sabesp

Entidades dos movimentos sindical, social e estudantil fazem um ato nesta quinta-feira para denunciar a grave crise no abastecimento de água e o descaso do governo estadual com a falta de investimentos no setor.

Do Portal do Trabalho

A Central Única dos Trabalhadores (CUT), seus sindicatos filiados, entidades dos movimentos social e estudantil e a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) realizarão um grande ato no próximo dia 5 de junho (quinta-feira) para esclarecer a população sobre a grave crise no abastecimento de água e denunciar o descaso do governo estadual com a falta de investimentos no setor. A concentração será a partir das 9h, na Estação Pinheiros (Linha 4-Amarela), localizada na Rua do Sumidouro, próxima à Praça Vitor Civita, em Pinheiros, zona oeste da capital.

A mobilização foi deliberada por dirigentes sindicais e representantes dos movimentos sociais após o seminário “A Crise da Água em São Paulo”, ocorrido no último dia 13 de maio na Assembleia Legislativa de São Paulo, no qual os participantes foram unânimes em apontar o problema da seca como consequência da má gestão do governo estadual do PSDB e da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

O 5 de junho também foi escolhido porque a data marca o Dia Mundial do Meio Ambiente, definido pela Organização das Nações Unidas (ONU) e que, em 2014, terá como enfoque a questão das mudanças climáticas.

A CUT São Paulo defende outro modelo de gestão estadual diante da irresponsabilidade do governo Geraldo Alckmin (PSDB) com os serviços públicos, não só em relação à água. A falta de investimentos em transporte público é outra área afetada, pois há tempos a classe trabalhadora sofre, cotidianamente, com os problemas de mobilidade urbana.

“Não é possível que a população pague a conta pela estiagem e o desabastecimento, principalmente diante da inércia e irresponsabilidade do governo estadual paulista que, por duas décadas, deixou de investir em obras e planos de contingência para aproveitamento dos recursos hídricos”, afirma Adi dos Santos Lima, presidente da CUT São Paulo.

Até o momento, a aposta do governo tucano se restringe à campanha educativa e desconto na conta daqueles que reduzirem o consumo. O racionamento continua sendo negado, mas a realidade é que diversos bairros da periferia paulistana sofrem com o revezamento no fornecimento de água.

Emprego em risco

Além dos transtornos à população, a crise da água, alerta o dirigente, pode afetar mais o emprego do que o apagão da energia ocorrido em 2001, pois a eletricidade podia ser fornecida por geradores, mas a água não tem substituto. “Quando a água é insumo da produção, o desabastecimento pode colocar o emprego em risco”, afirma Adi.

Indústria e agricultura estão os setores alarmados. Há empresas que já têm a produção afetada e outras sinalizam o impacto financeiro negativo.

Água não é mercadoria

A Sabesp é uma empresa de economia mista que desde 2002 tem ações negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo e de Nova Iorque, nos Estados Unidos, e se transformou numa corporação voltada ao lucro e não à gestão, planejamento e investimentos em saneamento básico. O governo estadual é acionista majoritário da companhia, com 50,3% das ações e, assim, é o maior beneficiado com os dividendos – os lucros chegam a R$ 2 bilhões anuais.

A questão é que, até 2011, nenhum dividendo foi investido em saneamento. Os aportes só começaram em 2014 com o lançamento do programa Pró-Conexão, que subsidia as instalações internas das casas da população de baixa renda para ligação à rede de esgotos.

Entre outras entidades, o ato contará com a participação do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Levante Popular da Juventude, União Nacional dos Estudantes,  Marcha Mundial de Mulheres e Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum