escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
12 de setembro de 2014, 10h22

O “discurso do medo” não começou nestas eleições nem pela boca do PT

O discurso do medo vive no noticiário econômico que garante, desde 2003, que o país vai quebrar todo ano. Em 2014, não é diferente. E ele é eloquentemente repetido pelos principais candidatos de oposição. A Bolsa de Valores também o pronuncia a sua maneira: sobe quando a Dilma cai nas pesquisas e cai quando a Dilma sobe.

Por Vinícius Mansur

O discurso do medo vive no noticiário econômico que garante, desde 2003, que o país vai quebrar todo ano. Em 2014, não é diferente. E ele é eloquentemente repetido pelos principais candidatos de oposição. A Bolsa de Valores também o pronuncia a sua maneira: sobe quando a Dilma cai nas pesquisas e cai quando a Dilma sobe.

Ele é vibrante também no noticiário político nacional: o país é presidido por uma corja de corruptos! O governo federal é aparelhado e é ineficiente! O povo sustenta aqueles que não estão lá por mérito, mas por “motivos políticos” ou por “praticar a velha política”.

Nem ligam se os diversos programas que eles tocam tem dado certo e a oposição precisa garantir sua continuidade para ter chance eleitoral. São todos corruptos desde que se publique na capa da Veja – e ainda que sua candidata tenha participado 27 anos desse projeto.

O que prometem de diferente, então, os principais candidatos da oposição? Varrer a corrupção! Governar com os bons! Espalhar comitês dos homens de bem!

No noticiário político regional, bem, o discurso do medo não está tão presente assim. No Judiciário bem, bem menos. No âmbito das empresas privadas então… Aí ele entende que a corrupção é, na verdade, a mais legítima resposta à corrupção opressora do Estado.

O discurso do medo se esgoela ao mínimo gesto que os lembre o artigo 220, § 5º, da Constituição Federal: “Os meios de comunicação social não podem, direta ou indiretamente, ser objeto de monopólio ou oligopólio”. Censura! Ditadura!

O discurso do medo urra também contra a ampliação da participação social, seja via conselhos, conferências, consultas, plebiscitos: Bolivarianos! Comunistas! Democratas em excesso!

O discurso do medo afirma, suave, que o racismo se acentuou no Brasil nos últimos anos a partir das políticas afirmativas; que o Bolsa Família gera o “Brasil acomodado”; que o Mais Médicos gera uma “falsa sensação de saúde”; que as novas condições de consumo dos não-ricos os leva a um mundo de ilusões, ignorância e endividamento.

Esses dois últimos parágrafos sejam, talvez, um “privilégio” de apenas uma das principais candidaturas de oposição.

Enfim, colegas eleitores da Marina, o discurso do medo é bastante utilizado por vocês. A polarização entre mocinhos e bandidos também faz mal ao Brasil.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum