escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
06 de junho de 2011, 14h13

Ollanta Humalla e um recado para o Brasil

Em Portugal, o Partido Socialista sofreu uma derrota histórica nesse fim-de-semana. Segue a trilha do PSOE espanhol - derrotado pelos conservadores nas eleições locais, prenúncio do que deve ocorrer nas eleições nacionais. Quase ao mesmo tempo, a América do Sul dá mais um passo para a esquerda - ainda que moderada. No Peru, Ollanta Humala venceu a filha de Fujimori, numa eleição duríssima!

por Rodrigo Vianna

Em Portugal, o Partido Socialista sofreu uma derrota histórica nesse fim-de-semana. Segue a trilha do PSOE espanhol – derrotado pelos conservadores nas eleições locais, prenúncio do que deve ocorrer nas eleições nacionais. Portugal e Espanha têm em comum a crise econômica, o desemprego (mais dramático em terras espanholas)  e o fato de serem governados há vários anos por agremiações de centro-esquerda (que, no poder, assumiram a receita do FMI pra “recuperar” a economia). Diante da crise, o povo pensou: entre o conservador de verdade e o de mentirinha, fico com o original!

A crise econômica deve empurrar a Europa mais pra direita (com exceção, talvez, da Itália – onde um Berlusconi desgastado por cafajestices sem fim pode ser derrotado pela centro-esquerda). Cresce o dircurso contra o imigrante, cresce o nacionalismo conservador – que tantos males já provocou no velho continente.

Quase ao mesmo tempo, a América do Sul dá mais um passo para a esquerda – ainda que moderada. No Peru, Ollanta Humala venceu a filha de Fujimori, numa eleição duríssima! O curioso: a economia peruana  cresce sem parar há uma década. Mas a economia não foi suficiente para que o povão votasse em candidatos associados ao programa liberal de Toledo e Alan Garcia (os dois últimos presidentes). Venceu Ollanta, nacionalista de esquerda, que moderou o discurso durante a campanha e, na reta final, conquistou até o apoio do genial escritor (e conservador) Mario Vargas Llosa.

Ou seja: na Europa, o povo puniu a centro-esquerda (que estava no poder) pela falta de crescimento econômico. Na América do Sul, crescimento só não basta – como mostraram os peruanos.

Os “mercados” tentarão domar Ollanta nos próximos meses. Ele terá mesmo que assumir compromissos com a classe média que rejeita o “chavismo”.  Mas não pode esquecer que só chegou ao poder porque os peruanos consideram crescimento, por si só, insuficiente.  O Peru – desde Fujimori – reduziu direitos trabalhistas, massacrou sindicatos, encurralou movimentos sociais. A vitória de Ollanta é um sinal de que o país precisa criar programas sociais que signifiquem redução da miséria, distribuição de renda, respeito ao trabalhador.

É por isso que Ollanta tentou se apresentar mais na linha de Lula do que na linha de Chavez (apesar da história pessoal dele, ex-militar, ser muito mais parecida com a do venezuelano).

O resultado das eleições no Peru (e também na Europa) é um sinal importante para o governo Dilma. O povo quer crescimento, claro. E a gestão da economia parece ser das (poucas?) áreas em que Dilma não cedeu às pressões conservadoras. Os “analistas” liberais bombardearam Mantega e o Banco Central no início do ano. A equipe econômica não cedeu. Aumentou juros de forma muito moderada, adotou outras medidas (“macroprudenciais”) e conseguiu conter a inflação sem sufocar a economia.

Isso é importante para Dilma. Decisivo até, eu diria. Se o governo tivesse errado a mão, poderíamos ter um crescimento em 2011 próximo de 2,5%. E tudo leva a crer que o Brasil – com Mantega e o BC firmes, sem ceder ao conservadorismo dos analistas e colunistas – vai seguir rodando a 4% ou 4,5%.

Mas crescimento apenas não basta. E esse é o recado que vem dos peruanos.

É preciso, claro, manter as políticas sociais que vêm de Lula! E é preciso – sobretudo – notar a nova tendência que vem de Belo Monte, dos bombeiros do Rio, dos professores e ferroviários: se o Brasil cresce (e se temos um governo popular), queremos dividir esse bolo, queremos viver melhor, ganhar mais!

Nada de anormal: na hora do crescimento, trabalhadores sentem-se mais fortes para reivindicar. Pancada em bombeiros que querem ganhar mais não resolve!

O lulismo (e especialmente alguns de seus aliados, na gigantesca coalizão) parecem não se dar conta de que algo começa a se mover na sociedade brasileira. A paz social dos anos Lula pode se romper diante de tantas demandas.

É cedo pra dizer que os movimentos sociais voltam à ofensiva – depois de anos e anos no banho-maria. Mas os sinais, aqui e ali, são claros:  pra muita gente no Brasil, os ganhos (reais) advindos do lulismo são agora fato consumado. São o patamar, o piso. O brasileiro quer mais que isso.

Dilma e os aliados estão preparados pra lidar com isso? Não adianta acreditar que “crescimento” vai resolver tudo. E a eleição no Peru mostra isso.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum