escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
29 de agosto de 2012, 11h08

Outro fim trágico no caso da americana Rachel Corrie

Do Nota de Rodapé: Na Palestina para lutar contra a demolição de casas por Israel, Rachel Corrie foi atropelada enquanto protestava e morreu. O governo de Israel encerrou a investigação e concluiu: o militar que dirigia o trator não teve culpa, nem comportamento negligente.

Por Flávio de Carvalho Serpa, no Nota de Rodapé

Todo mundo se lembra da icônica imagem de um estudante chinês se manifestando por liberdade democrática plantado em frente a um tanque de guerra na praça da paz celestial, em Beijing, na China.

Outra imagem igualmente dramática, e com final cruelmente trágico, não teve a mesma divulgação na grande imprensa. Trata-se da jovem americana Rachel Corrie que, aos 23 anos, foi para a Palestina protestar contra a demolição de habitações de moradores que estavam sendo expulsos de suas casas numa operação militar do exército israelense, em 2003.

O motorista militar do trator pesado, ao contrário do condutor do tanque na praça da paz celestial, não parou. Soterrou Rachel, deu ré e avançou novamente. As imagens da tragédia podem ser vista no Youtube.

A diplomacia americana pressionou Israel para uma investigação rigorosa envolvendo a cidadã norte-americana. O resultado saiu ontem, 27. As autoridades israelenses decidiram que o militar que dirigia o bulldozer não teve culpa, nem comportamento negligente, segundo artigo no jornal inglês The Guardian.

O grupo Jewish Voice, formado por judeus democratas que se opõem à política de repressão armada ao povo palestino, lamentou a decisão hoje. Esse grupo está pressionando, nos EUA, para que os investidores americanos se livrem das ações da empresa Caterpillar, a fabricante dos tratores pesados que são usados militarmente na política israelense de demolição de casas e até vilarejos inteiros.

O embaixador americano em Israel, Dan Shapiro, disse à família de Corrie que a investigação “não foi satisfatória, rigorosa, acreditável nem transparente como deveria ser”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum