escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
14 de fevereiro de 2011, 10h14

Brasil está distante do pleno emprego

Da CTB: A afirmação é do presidente do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), Marcio Pochmann. Para ele, mesmo tendo criado cerca de 15 milhões de postos de trabalho, o enorme contingente de pessoas sem trabalho entre a população mais pobre indica a necessidade de políticas públicas que permitam aos menos favorecidos se beneficiar do crescimento econômico.

Para Pochmann, Brasil está distante de cenário de pleno emprego
Do portal da CTB

O Brasil ainda está longe de atingir uma situação de pleno emprego. A afirmação é do presidente do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), Marcio Pochmann. Para ele, mesmo tendo criado cerca de 15 milhões de postos de trabalho entre os anos de 2003 e 2009 e atingido a menor taxa de desemprego (5,3%) desde março de 2002, o enorme contingente de pessoas sem trabalho entre a população mais pobre indica a necessidade de políticas públicas que permitam aos menos favorecidos se beneficiar do crescimento econômico.

“Ao contrário do que muitos pregam, o país não vive uma situação de pleno emprego. Entre os trabalhadores mais pobres, cerca de 33% estão desempregados, o que inviabiliza que falemos em pleno emprego no país”, disse Pochamann ao apresentar, nesta quinta-feira (10), em Brasília, um comunicado em que os técnicos do Ipea identificam que o desemprego entre os 20% mais pobres do país cresceu desde 2005.

Perguntado se o resultado do levantamento indica a falta de políticas públicas de formação e capacitação para o mercado de trabalho voltadas para a parcela menos favorecida da população ou que elas simplesmente não existem, Pochmann afirmou que os governos municipais, estaduais e federais poderiam ter “ações mais objetivas”.

“É natural que quando a economia cresce, as oportunidades sejam mais rapidamente capturadas pelos que tem maior escolaridade e renda. Isso é do comportamento econômico, mas é também um espaço para a construção de políticas públicas. Porque o mercado sozinho não vai resolver isso”, disse o presidente do Ipea, órgão de assessoramento governamental ligado à Secretaria de Assuntos Estratégicos.

“É preciso haver uma adequação, uma homogeneização das ofertas de qualificação, ou seja, já que os empregos estão sendo gerados, oferecer oportunidades [de emprego] também para os mais pobres. Hoje, as oportunidades são aproveitadas por quem tem melhor formação, ainda que a educação, um requisito [para se obter um trabalho], não seja um passaporte para o emprego, que só é criado pelo crescimento econômico”, explicou Pochmann.

Com informações Agência Brasil


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum