escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
04 de junho de 2014, 11h29

Políticas do governo federal para indústria mantêm desemprego baixo

As desonerações, os programas de qualificação dos trabalhadores e a ampliação do Simples Nacional têm permitido sustentar a criação de empregos, apesar do baixo crescimento econômico, de acordo com a ministra do Planejamento, Miriam Belchior.


Por Wellton Máximo, da Agência Brasil

As desonerações, os programas de qualificação dos trabalhadores e a ampliação do Simples Nacional – regime simplificado de tributação para as micro e pequenas empresas – têm permitido sustentar a criação de empregos, apesar do baixo crescimento econômico, disse hoje (3) a ministra do Planejamento, Miriam Belchior.

Em entrevista exclusiva à Agência Brasil, ela rebateu as alegações de que o desemprego tenha aumentado no início do ano e defendeu as medidas de estímulo à economia da presidenta Dilma Rousseff.

A ministra disse ainda que a taxa de desemprego de 7,1% no primeiro trimestre apontada pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgada hoje (3) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), não pode ser comparada com a do último trimestre de 2012. Segundo a ministra, a comparação, feita da forma correta, mostra queda do desemprego.

“Quando o verão está muito quente, comparamos com outro verão, não com o inverno. O primeiro trimestre de 2014 só pode ser comparado com o primeiro trimestre do ano passado, porque o mercado de trabalho tem suas sazonalidades”, justificou. Por esse critério, o desemprego caiu em relação à taxa de 8% registrada nos três primeiros meses de 2013.

Em relação ao último trimestre do ano passado, o desemprego subiu de 6,2% para 7,1%. No entanto, segundo Miriam Belchior, esse tipo de comparação não pode ser feito. “No fim do ano, o desemprego sempre cai por causa das contratações de Natal. A pesquisa do IBGE só revela os números brutos, sem desconsiderar esses ciclos sazonais”, alegou.

No acumulado em 12 meses, a taxa de desemprego da Pnad Contínua também caiu, de 7,1% para 6,9%. “Esse também é um método correto de comparar porque a sazonalidade está incluída nas duas comparações”, acrescentou a ministra. A sazonalidade representa as oscilações típicas de determinadas épocas do ano em todos os mercados.

De acordo com Miriam Belchior, a Pnad Contínua confirma a queda do desemprego constatada em outros levantamentos, como a Pesquisa Mensal de Emprego, do IBGE, e a pesquisa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). “Todas as pesquisas apontam na direção de um mercado de trabalho cada vez mais robusto e aquecido”, ressaltou.

Apesar do crescimento de 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país) de janeiro a março, comparado com o primeiro trimestre do ano passado, a ministra ressaltou que a economia brasileira continua gerando emprego com velocidade. “Muitos economistas estão estudando esse fenômeno, mas o fato é que o governo tem desenvolvido um conjunto de ações que tem permitido sustentar a criação de emprego no cenário econômico atual”, destacou.

Segundo a ministra, a greve dos servidores do IBGE não afetou a divulgação da Pnad Contínua. “Eu, assim como todo mundo, só fui informada dos números hoje, mas a pesquisa estava fechada há algum tempo, antes de a greve ser deflagrada”, explicou.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags