escrevinhador

por Rodrigo Vianna

O que o brasileiro pensa?
21 de outubro de 2014, 12h00

PSDB ataca inflação para justificar política de arrocho salarial e juros altos

Do Brasil Debate

Os tucanos mentem ao dizer que a inflação está fora de controle e que o governo tem sido leniente no controle da inflação. É fato inconteste de que, desde o governo Lula, a meta de inflação tem sido atingida (ver AQUI).

A grande questão é a diferença entre a retórica tucana e suas reais intenções. Por um lado, o argumento PSDbista é de que a inflação pode corroer o poder de compra do trabalhador, caso o aumento de preços na sua cesta de consumo seja maior do que o ganho salarial, o que não tem ocorrido no Brasil.

De fato, os salários reais têm crescido acima da inflação, o que eleva seu poder de compra, como pode ser visto no gráfico acima.

Resta entender qual é o real objetivo tucano ao preconizar tal descontrole inflacionário.

Direto ao ponto: o patamar da inflação não é dos mais confortáveis. O processo de distribuição de renda envolve aumento do salário mínimo e do salário da base da pirâmide de rendimentos, o que gera uma rigidez da taxa de inflação, particularmente no setor de serviços.

Há dois caminhos possíveis para reduzir o patamar da inflação: 1) valorização cambial e 2) arrocho salarial. Ambas possuem contradições entre o objetivo de política monetária e o processo de desenvolvimento brasileiro.

Nos anos em que o centro da meta foi atingido, houve valorização da taxa de câmbio. O problema é que, com uma indústria fragilizada pelas dificuldades impostas por uma ordem internacional em que impera a extrema competitividade chinesa, recorrer à valorização cambial pode acentuar a perda de densidade da indústria brasileira.

A segunda estratégia pode ser implantada de duas formas: cessar o aumento do salário mínimo (ou até reduzi-lo) e gerar uma enorme recessão na economia brasileira, por exemplo, por um ajuste fiscal de grandes proporções ou uma forte elevação dos juros. As políticas fiscal e monetária contracionistas resultam num menor poder de compra e numa redução do poder de barganha para os trabalhadores.

Claramente, tal estratégia significaria exterminar o processo civilizatório pelo qual a economia brasileira tem experimentado pela decisão de crescer com distribuição de renda.

Nos debates, Aécio Neves se esquiva de dizer publicamente como ele reduziria a inflação, apesar de frequentemente afirmar que a inflação está fora de controle. O banqueiro Armínio Fraga, o ministro da Fazenda de Aécio, também não disse como reduziria a inflação no debate com Guido Mantega promovido pela Globonews (ver AQUI).

No entanto, o indício de como será o combate à inflação foi dado por Armínio em outra ocasião (ver vídeo abaixo): ele considera que os salários estão muito elevados. A estratégia, provavelmente, será adotar o arrocho salarial, por meio da contenção do salário mínimo, do ajuste fiscal e da elevação da taxa de juros.

Dizer que a inflação corrói o poder de compra do trabalhador e que ela está fora de controle é o falso pretexto tucano para justificar o que eles realmente querem: reverter o processo de distribuição de renda, elevar os juros e favorecer os detentores da riqueza financeira. Caso o problema para os tucanos fosse realmente o poder de compra para o trabalhador, o arrocho salarial não seria a alternativa escolhida para reduzir o patamar da inflação.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum