escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
15 de junho de 2011, 18h08

Risco do Brasil já é menor que o dos EUA

Mantega e o BC seguraram a pressão dos "mercadistas" que pediam uma "paulada nos juros" no início de 2011. Preferiram subir os juros de forma mais moderada, e adotaram outras medidas pra segurar um pouco a economia. Fora da cartilha tradicional. Palocci estava ao lado dos mercadistas. Palocci caiu. E Mantega? Coube a ele noticiar um fato surpreendente: o risco de se investir no Brasil é hoje menor do que nos Estados Unidos!

por Rodrigo Vianna

Quando Obama veio ao Brasil, em março, fui a Brasília para cobrir a visita para a TV. E entrevistei o ministro da Fazenda Guido Mantega, pra falar sobre as relações Brasil-EUA. Mantega, naqueles dias, era vítima de uma dura campanha na velha imprensa: espalhara-se a “notícia” de que Mantega era um ministro “fraco”, e que a “fraqueza” da equipe econômica era a responsável pela volta “galopante” da inflação. Ao fim da entrevista, que era sobre Obama, perguntei ao ministro se ele sabia de onde vinha a campanha contra ele. Discreto, e educadíssimo, Mantega apenas sorriu.

Em Brasília, ninguém tinha dúvidas: a campanha contra Mantega vinha da Casa Civil, de Palocci.

Mantega e o BC seguraram a pressão dos “mercadistas” que pediam uma “paulada nos juros” no início de 2011. Preferiram subir os juros de forma mais moderada, e adotaram outras medidas pra segurar um pouco a economia. Fora da cartilha tradicional.

Palocci estava ao lado dos mercadistas. Juros altos interessam a bancos e a quem tem títulos da dívida pública: ou seja, interessam à turma a quem Palocci dá consultoria (formal ou informalmente). Derrubar Mantega permitiria, ainda, ter na Fazenda alguém mais próximo do paloccismo – seria uma vitória econômica e política. Um triunfo  do ministro consultor.

Três meses depois, Palocci caiu. E a inflação está em queda, contrariando as previsões mais pessimistas.

E Mantega? Coube a ele noticiar um fato surpreendente: o risco de se investir no Brasil é hoje menor do que nos Estados Unidos!

O risco não caiu porque o Brasil “fez a lição de casa”, como pediam os Mailsons, Mirians e seus amigos consultores! O Brasil é hoje uma economia mais confiável do que a dos Estados Unidos porque, na crise em 2008, Mantega e Lula tiveram coragem de contrariar os mercadistas e – em vez de “cortar na prórpia carne, como pediam os “consultores” e “colunistas” – botaram o pé no acelerador.

Ninguém inventou a roda. Foi uma opção política. Adotada desde Roosevelt, nos anos 30.

A gestão da economia, no governo Dilma, é uma área em que o conservadorismo não avançou.

===

RISCO DO BRASIL É MENOR QUE DOS EUA, DIZ MANTEGA

Do R7

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta quarta-feira (15) que, pela primeira vez na história, o risco do Brasil é menor que o dos Estados Unidos. Ele se referia ao risco medido pelo “swap de default de crédito” (CDS, na sigla em inglês), que representa o custo de proteção contra o não pagamento da dívida pública. É uma espécie de seguro.

Em entrevista no Palácio do Planalto, Mantega disse que a notícia mostra “a solidez da economia brasileira e a confiança que temos do mercado”.

Esse termo com nome complicado nada mais é que um seguro que um investidor contrata na hora de aplicar dinheiro em outro país. Se houver uma pane na economia desse determinado país, a empresa que fez o CDS paga o que o investidor aplicou.

– Quem tem medo do não cumprimento de pagamentos faz um seguro.

Na última terça-feira (14), o CDS do Brasil recuou a 42 pontos base no prazo de um ano, contra o custo de 49 pontos base para proteção da dívida dos EUA em um prazo equivalente.

Mantega disse que o governo está “muito feliz” com essa classificação sobre o custo para garantir proteção contra eventual calote da dívida brasileira.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum