escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
06 de julho de 2015, 09h24

Soberania popular na Grécia impõe derrota ao sistema financeiro e deixa lição para esquerda

Após o resultado, o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, declarou nesta noite que a consulta popular “prova que a democracia não poder ser chantageada”.

Do Opera Mundi

Os gregos decidiram neste domingo (05/07) rejeitar as propostas feitas pelos credores internacionais. Com mais de 94% das urnas apuradas, o “não” venceu o referendo com 61,44% dos votos contra 38,56% do “sim”, segundo dados divulgados pelo ministério do Interior do país.

Após o resultado, o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, declarou nesta noite que a consulta popular “prova que a democracia não poder ser chantageada”. “Os gregos tomaram uma medida corajosa e é esta que irá mudar o debate na Europa”, afirmou.

Em pronunciamento em rede nacional, o chefe de Governo ainda disse que não há “soluções fáceis”, mas “soluções justas” , que devem ser buscadas e encontradas, se os dois lados quiserem isso.

Tsipras também anunciou que a votação de hoje não significa que Atenas esteja saindo da zona do euro, como muitos temem. “Nós devemos tirar essa questão fora da mesa completamente”, insistiu o premiê.

O chefe de Governo explicou ainda que seu governo reiniciará amanhã as negociações com os credores internacionais para tentar chegar a um acordo e destacou que a prioridade é a reabertura dos bancos e o retorno da estabilidade financeira.

“Quero agradecer a todos, independentemente em que votaram. Agora é preciso restabelecer a coesão social”, declarou.

Repercussão

Após o resultado, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e o presidente da França, François Hollande, pediram a convocação de uma cúpula europeia extraordinária na próxima terça (07/07). A decisão foi feita depois que os dois líderes se telefonaram.

Com o fracasso do “sim”, o ex-primeiro-ministro e líder do partido Nova Democracia, Antonis Samaras, renunciou à presidência da legenda oposicionista conservadora.

“O povo decidiu em um referendo de divisão. O governo tem agora a responsabilidade de trazer um acordo que evite que o país afunde. Com a vitória do ‘não’, alguns na Europa traduzirão como vontade de sair da zona do euro. Chamo os parceiros a ajudar a Grécia a permanecer no euro”, afirmou Samaras.

Para o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, a Grécia deve agora tomar a iniciativa. “As consequências são uma decisão que deve ser tomada na Grécia. Por isso, a bola agora está com Atenas”, disse.

Milhões de gregos foram hoje às urnas decidir entre o “sim” e o “não” a um acordo nos moldes dos credores europeus, após uma breve campanha que foi marcada pela polarização e sob a pressão do fechamento de bancos imposto pelo governo grego no último fim de semana.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum