segunda-feira, 21 set 2020
Publicidade

Vargas Llosa rompe com PIG peruano

Carta Vargas Llosa. Clique na imagem para vê-la maior

Por Juliana Sada

A disputa presidencial peruana se acirra e a sociedade está cada vez mais envolvida. Nesta terça-feira, o escritor Mario Vargas Llosa tomou mais uma atitude nesta disputa e anunciou o fim de sua coluna no jornal “El Comercio”, um dos principais do país e apoiador de Keiko Fujimori, a candidata da direita.

Apesar de ser conhecido por suas posições políticas conservadoras, o escritor e prêmio Nobel de literatura já havia declarado apoio ao candidato Ollanta Humala, identificado com a esquerda nacionalista.

De acordo com Llosa, em carta enviada ao diretor do jornal, o veículo se converteu em uma máquina de propaganda de Keiko – que “em seu afã de impedir, por todos os meios, a vitória de Ollanta Humala, viola diariamente as mais elementares noções de objetividade e ética jornalística”. O escritor acusa o jornal de manipular informações e “abrir suas páginas a mentiras e calúnias que possam prejudicar o adversário”.

Em sua carta, Llosa afirma que não pode permitir que sua coluna “‘Pedra de Toque’ siga aparecendo nesta caricatura do que deve ser um órgão de expressão genuinamente livre, pluralista e democrático”.

O jornal teria se tornado “uma máquina de propaganda de Keiko” quando Martha Miró Quesada e “um punhado de acionistas” tomou controle do grupo midiático. A família Miró Quesada fundou o jornal “El Comercio” em 1839 e até hoje controla o veículo.

O grupo midiático “El Comercio” possui cinco jornais, um canal de televisão a cabo e é acionista majoritário do canal América TV. Vargas Llosa denuncia que em todo o grupo, ocorrem intimidações aos jornalistas independentes.

Disputa Eleitoral
O segundo turno da eleição presidencial ocorre neste domingo e as pesquisas indicam empate técnico entre os dois candidatos. A vitória de Ollanta Humala pode causar uma grande mudança nos rumos do país, que há anos é governado pela direita. Além de impactar no resto da América Latina, como explica nosso colunista Marcelo Salles, em seu artigo de hoje – que pode ser lido aqui.