Busca do Google já aponta Bolsonaro como o “pior político do mundo”

A notícia do site australiano que classificou Bolsonaro como o pior político do mundo se tornou a primeira e principal resposta do Google quando essa pergunta é feita no buscador Por Redação Internautas descobriram, nos últimos dias, que os filtros internos de busca do Google já fazem com que o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) […]

A notícia do site australiano que classificou Bolsonaro como o pior político do mundo se tornou a primeira e principal resposta do Google quando essa pergunta é feita no buscador

Por Redação

Internautas descobriram, nos últimos dias, que os filtros internos de busca do Google já fazem com que o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) apareça como o “pior político do mundo” nas buscas na internet.

Basta fazer o teste. Abra o Google e digite: “o pior político do mundo”. Não só a maioria das respostas apontam para notícias relacionadas a Bolsonaro como a resposta que o Google dá destaque e classifica como a “oficial” também.

“Jair Bolsonaro é eleito político mais abominável do mundo por site da Austrália. O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) foi eleito o político mais repulsivo do mundo pelo site australiano ‘News’. Segundo informações do site, o magnata ‘Donald Trump é uma criança inocente perto do parlamentar brasileiro’.”, diz a resposta oficial do buscador, com base no link mais acessado para a sentença, que é uma notícia do site Correio 24 horas sobre o jornal australiano que, em agosto, classificou o brasileiro como o político “mais abominável” do mundo.

Nas redes sociais, internautas comemoram a “novidade”.

Publicidade

Publicidade

Avatar de Segunda Tela

Segunda Tela

Espaço para discutir a cultura em tempos de multiconexão. Cinema, música, teatro, TV, internet e mais.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR