Como resposta ao racista William Waack, internautas mostram o que realmente é “coisa de preto”

#ÉCoisaDePreto ser um dos maiores escritores do mundo, #ÉCoisaDePreto ser um dos maiores nomes da música mundial, #ÉCoisaDePreto ser campeão olímpico, #ÉCoisaDePreto libertar todo um país… Acompanhe a hashtag que enaltece negros e negras na história da humanidade Por Redação Se por um lado a internet e as redes sociais amplificam as vozes reacionárias, por […]

#ÉCoisaDePreto ser um dos maiores escritores do mundo, #ÉCoisaDePreto ser um dos maiores nomes da música mundial, #ÉCoisaDePreto ser campeão olímpico, #ÉCoisaDePreto libertar todo um país… Acompanhe a hashtag que enaltece negros e negras na história da humanidade

Por Redação

Se por um lado a internet e as redes sociais amplificam as vozes reacionárias, por outro abre espaço para a criatividade e mobilização em prol de causas justas. Graças a declaração racista de William Waack, que afirmou que as buzinas que o incomodavam eram “coisa de preto”, milhares de pessoas poderão se deparar pelas redes sociais, nesta quinta-feira (9), com nomes e rostos de negras e negros fundamentais na história da humanidade.

Se o jornalista da TV Globo dá uma conotação negativa ao que é ou não “coisa de preto”, internautas fazem o contrário. Coisa de preto é ser poeta, jurista, ativista, músico, artista, atleta, presidente da república. Aos poucos, as redes sociais estão sendo tomadas pela hashtag #ÉCoisaDePreto, que carrega em seu sentido não só uma resposta a William Waack, mas uma verdadeira aula de história e cidadania.

Confira um pouco da repercussão da tag abaixo.

Publicidade

Publicidade

Avatar de Segunda Tela

Segunda Tela

Espaço para discutir a cultura em tempos de multiconexão. Cinema, música, teatro, TV, internet e mais.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR