Sindicato Popular

Fórum Educação
09 de abril de 2020, 07h18

Coronavírus: Comando Nacional dos Bancários barra demissões e garante máscaras acrílicas para trabalhadores

Que a experiência de luta e ações coletivas dos bancários inspirem outras categorias a compreender que só a unidade de classe é capaz de frear os ataques do patronato. Que os sindicatos deste país entendam que o momento da pandemia é o momento de maior atuação na proteção da vida dos trabalhadores, de suas condições de trabalho e sobrevivência.

Reprodução. Arte: Linton Publio

A Unidade nacional dos bancários representa os trabalhadores de bancos públicos e privados e tem sido fundamental para garantir a mesa de negociação e inúmeras conquistas. Por meio da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) válida para todo o país e todas as empresas do setor, os bancários vêm se mobilizando desde o início da pandemia e foram os primeiros a pressionar o setor patronal a adotar medidas de proteção aos trabalhadores e clientes, em decorrência da pandemia de coronavírus (Covid-19). 

O Santander, por exemplo, afastou os funcionários do grupo de risco, ao vencer o tempo de licença médica de 14 dias e cujo período de férias coletivas está por terminar, o banco estenderá o período de férias por mais 15 dias, para que os trabalhadores de grupo de risco possam permanecer em casa. 

Na noite de ontem (08/04) o Comando Nacional dos Bancários teve outra importante vitória: conseguiu suspender as demissões durante a pandemia e conseguiu equipamentos de proteção para a categoria. A categoria dos bancários foi a primeira a se mobilizar para garantir equipamentos de proteção para seus trabalhadores. O Bradesco fornecerá para todos os bancários de suas agências em todo o território nacional máscaras acrílicas.

Ontem, (08/04) o Bradesco respondeu formalmente ao movimento sindical, informando que suspenderá as demissões durante o período da pandemia de coronavírus. Com isso, consolida-se uma importante conquista da negociação coletiva envolvendo o Sindicato, demais entidades representativas articuladas no Comando Nacional dos Bancários, e Fenaban (federação dos bancos), uma vez que os três maiores bancos privados do país – Itaú, Santander e Bradesco – acataram a reivindicação de suspender as demissões. 

Os bancários vem provando a importância da unidade nacional dos trabalhadores para garantir direitos para todos, sejam os que atuam nos bancos públicos ou privados e em todo território nacional.

Que a experiência de luta e ações coletivas dos bancários inspirem outras categorias a compreender que só a unidade de classe é capaz de frear os ataques do patronato. Que os sindicatos deste país entendam que o momento da pandemia é o momento de maior atuação na proteção da vida dos trabalhadores, de suas condições de trabalho e sobrevivência. Dessa forma o trabalhador ressignificará a importância de pertencer ao sindicato, porque conseguirá enxergar na prática que sem os sindicatos os trabalhadores estão desprotegidos.

Campanha Bancári@ Solidári@

Os bancários estão indo além da luta em defesa de sua própria categoria, e solidários aos trabalhadores mais vulneráveis ou em situação de rua, lançaram uma campanha de apoio. Como explica o bancário do Banco do Brasil e diretor do Sindicato Ernesto Izumi:

“Nós bancários, que trabalhamos em São Paulo, especialmente aqueles que estão alocados em agências e departamentos localizados no Centro, diariamente vemos milhares de pessoas em situação de rua ou que trabalham coletando recicláveis, fazendo pequenos trabalhos, e que estão precisando de nossa ajuda. Neste momento difícil para todos nós, é fundamental lembrarmos das pessoas que estão em situação de maior vulnerabilidade social. Por isso, o Sindicato tem orgulho de apoiar entidades como a Casa de Oração do Povo de Rua, entidade liderada pelo Padre Júlio Lancellotti, para a qual já fizemos uma doação de alimentos; e a Rede Rua, para a qual também doaremos alimentos para a continuidade da distribuição. Também apoiamos, com doações de cestas básicas, a comunidade da Barragem, em Parelheiros, extremo sul de São Paulo”. 

Para potencializar ainda mais essa rede de solidariedade neste período de pandemia, o Sindicato criou a campanha Bancári@ Solidári@, que dá visibilidade a entidades que organizam ações de solidariedade. Além da Casa de Oração do Povo de Rua e da Rede Rua, o Sindicato dos Bancários de São Paulo apoia o Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis e o Movimento Sem Teto do Centro (MSTC). Ernesto Izumi destaca que a solidariedade é a regra na categoria: “Conclamamos os colegas bancários a colaborarem com essas organizações. Sempre que fazemos este tipo de apelo aos bancários, a categoria nos mostra o quanto é solidária. Desta vez, neste período tão difícil, estamos certos que não será diferente. Seja você também um Bancári@ Solidári@”.

Os bancários entendem que a defesa da vida dos trabalhadores é a principal bandeira de luta.

Com informações de SPBancários

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum