Sindicato Popular

O que o brasileiro pensa?
22 de fevereiro de 2020, 17h00

Servidores públicos municipais de Joinville entram no 5° dia de greve e ocupam a prefeitura

A aprovação da Emenda Constitucional que congela em 20 anos o orçamento vem jogando nas costas do trabalhadores públicos e privados os cortes do orçamento público

Após paralisação dos servidores municipais de Joinville nos dias 13/02 e 17/02, os trabalhadores em assembleia decretaram greve e desde 20/02 ocupam a recepção do gabinete do prefeito, o empresário Udo Döhler (MDB).

De acordo com Jane Becker, presidenta do Sindicato dos Servidores Públicos de Joinville e Região – SINSEJ -, a Comissão de Negociação Coletiva vem solicitando desde dezembro do ano passado uma reunião com o prefeito para a abertura das negociações.

A data base da categoria é maio, para conseguir avanço real nas cláusulas econômicas o sindicato tem até 6 de abril, pois o projeto da campanha salarial deve ser enviado pelo Executivo e ser aprovado na Câmara de vereadores até dia 6 de abril, pois 2020 é ano de eleições municipais e existem restrições legais após esta data.

Os servidores têm regime próprio de aposentadoria e previdência (IPREVILLE). O governo do empresário prefeito se nega a sentar na mesa de negociação e se recusa a a discutir o projeto que aumenta a alíquota da previdência dos servidores de 11% para 14%. Trata-se do projeto 03/2020 que já foi encaminhado para a Câmara dos Vereadores da cidade.
Os servidores reivindicam abrir a mesa de negociação, discutir o projeto do Ipreville e a abertura imediata de concursos públicos, que não ocorrem desde 2014, para suprir a falta do quadro efetivo de servidores em todas as áreas.

Na última quinta-feira (20/02) a direção do SINSEJ ocupou a antessala do gabinete do prefeito e de acordo com a presidenta do sindicato, Jane Becker: “Não sairemos daqui enquanto o prefeito não nos receber”

A aprovação da EC95 (a Emenda Constitucional que congela em 20 anos o orçamento) vem jogando nas costas do trabalhadores públicos e privados os cortes do orçamento público. Há uma visível piora da qualidade dos serviços públicos como saúde e educação para toda a população e arrocho salarial para os servidores . O governo do Estado de São Paulo (PSDB) conseguiu aprovar em segundo turno a reforma da previdência dos servidores estaduais. Em 2018, o prefeito Bruno Covas (PSDB) também jogou nas costas dos servidores municipais o ônus dos cortes de orçamento aumentando a alíquota da previdência de 11 para 14%.

O SINSEJ é bastante representativo: tem em sua base 13 mil servidores dos quais 7.500 são filiados e o sindicato já conseguiu uma vitória importante: barrou com a força da mobilização um dos projetos do prefeito que extinguia cargos concursados e criava outros 30 comissionados.

Esperamos que os servidores de Joinville saiam vitoriosos nesta luta. Se depender da garra de suas diretoras as chances são grandes: “A intenção do governo é a de transmitir para o servidor a dívida que é do governo. Isso é imoral e inconstitucional, não vamos permitir!“, afirmou a presidenta do SINSEJ que faz parte da ocupação na prefeitura.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum