Senador republicano: “40 mil brasileiros com bolsas Gucci” entraram ilegalmente nos EUA

Declaração é bizarra, mas o número de brasileiros presos tentando entrar ilegalmente nos EUA explodiu desde que Bolsonaro chegou ao poder

Aliado de Donald Trump e crítico das políticas migratórias de Joe Biden, o senador republicano Lindsey Graham, da Carolina do Sul, afirmou nesta terça-feira, 12 de outubro, que 40 mil brasileiros cruzaram a fronteira dos EUA com o México ilegalmente e estão “indo para Connecticut vestindo roupas de grife e bolsas Gucci”. Graham fez a declaração à Fox News para exemplificar que não são mais pessoas com problemas econômicos que estão “invadindo” seu país.

“Apenas no setor Yuma (controle de fronteira no Arizona) tivemos 40 mil brasileiros que vieram a caminho de Connecticut vestindo roupas de grife e bolsas Gucci. Isso não é mais migração econômica”, afirmou Graham. “As pessoas veem uma América aberta. Eles estão se aproveitando de nós. E não demorará muito para que um terrorista apareça nesta multidão.”

Embora não tenha se encontrado com Jair Bolsonaro, Graham foi um dos políticos republicanos que entraram em quarentena após terem contato com o então chefe da Secom Fabio Wajngarten previamente ao jantar do presidente brasileiro com Donald Trump em Mar-A-Lago, em março do ano passado. Wajngarten havia se contaminado com o coronavírus e todas as autoridades norte-americanas que tiveram contato com ele foram para a quarentena. O avião presidencial voltaria ao Brasil com 22 infectados por Covid-19.

A porta-voz de Lindsey Graham afirmou que o senador viu pessoalmente os “brasileiros com bolsas Gucci” entrando pela fronteira dos EUA. “São milhares de brasileiros entrando por lá. E, como o senador notou, as bagagens que usam são melhores do que a dele.” Graham enviou fotos ao Washington Post, mas, segundo o jornal, nenhuma das imagens mostra passageiros com bolsas Gucci. “A roupa mais visível nas fotos era um par de tênis Puma razoavelmente limpo, sem cadarço”, publicou o jornal.

O número de brasileiros presos tentando entrar ilegalmente nos EUA pelo México explodiu desde que Bolsonaro chegou ao poder e bateu recordes em 2021: até agora 46.200 brasileiros foram presos, contra 17.900 em 2019. Já somos o sexto país em imigrantes ilegais presos na fronteira Sul

A Patrulha de Fronteira dos EUA regularmente divulga declarações sobre seu trabalho e nada disse sobre os “40 mil brasileiros”. Tampouco houve menção a “roupas de grife e bolsas Gucci”. Mas, de fato, o número de brasileiros presos tentando entrar ilegalmente nos EUA pela fronteira com o México vem crescendo assustadoramente desde que Bolsonaro chegou ao poder e bateu recordes em 2021: até agora 46.200 brasileiros foram apreendidos na fronteira Sul do país, contra 17.900 em todo o ano de 2019. Já somos o sexto país em número de imigrantes ilegais presos nos EUA.

Em setembro, a brasileira Lenilda dos Santos, de 49 anos, foi encontrada morta em um deserto do Novo México ao tentar entrar ilegalmente no país. Auxiliar de enfermagem, natural de Rondônia, Lenilda não conseguiu acompanhar o ritmo do restante do grupo, liderado por um coiote, e foi largada para trás sozinha.

No ano passado, o senador Graham foi fotografado, sorrindo, com um líder do grupo nacionalista branco Proud Boys, aparentemente jantando em um restaurante. Um ano antes, Graham apareceu em uma foto com o político de extrema direita Geert Wilders, “um polêmico líder parlamentar holandês com opiniões anti-islã e anti-imigrantes”. E há apenas alguns meses Graham apareceu na Fox News “usando argumentos propagados por nacionalistas brancos”.

Com informações do Alternet

Publicidade
Avatar de Socialista Morena

Socialista Morena

Uma nova forma de fazer jornalismo. Cultura, política, feminismo, direitos humanos, mídia e trabalho. Editora: Cynara Menezes

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR