Blog da Maria Frô

ativismo é por aqui

08 de outubro de 2013, 10h31

Comandante da UPP da Rocinha combinou com PMs versão sobre sumiço de Amarildo, diz rádio

“A coragem que tempera o inquérito do caso Amarildo é inversamente proporcional ao destaque diminuto que as conclusões policiais receberam nos meios de comunicação: parece que se trata apenas de mais uma peça produzida pela Polícia Civil do Rio” MÁRIO MAGALHÃES

Comandante da UPP da Rocinha combinou com PMs versão sobre sumiço de Amarildo, diz rádio

Do UOL, em São Paulo

07/10/2013

Escutas telefônicas feitas pela Divisão de Homicídios do Rio de Janeiro revelaram que o major Edson dos Santos, ex-comandante da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) da Rocinha, na zona sul da capital fluminense, marcou um encontro de emergência com policiais envolvidos no desaparecimento do pedreiro Amarildo de Souza, 47, para discutir o que seria dito aos investigadores do caso. Foi o que apontou a rádio CBN, que teve acesso aos materiais da investigação.

O major Edson Santos está entre os PMs que vão responder pelos crimes de tortura seguida de morte e ocultação de cadáver referente ao caso Amarildo. Edson Santos comandava a UPP quando ocorreu o sumiço do pedreiro, em 14 de julho MAIS Daniel Marenco/Folhapress

Depois de prestar depoimento por 12 horas na Polícia Civil, o major, como apontou a reportagem, ligou para o policial Douglas Vital e pediu para que reunisse a equipe no batalhão para o que chamou de “festa de despedida”. Mas, de acordo com as investigações, a ideia era reunir todos para combinar o mesmo relato. E, após o encontro, todos os PMs apresentaram a mesma versão do caso.

As mais de mil horas de conversas telefônicas gravadas também comprovaram que os policiais teriam assediado e ameaçado testemunhas para que deixassem a comunidade. “O major tinha falado para mim, caso o bagulho demorasse a sair, ele mesmo ia ver uma parada para mim”, disse um morador a um policial não identificado sobre uma suposta casa que o major Edson dos Santos teria prometido arranjar.

A Divisão de Homicídios ouviu ao todo 133 testemunhas, reuniu 16 horas de filmagens e monitorou 20 pessoas através de escutas telefônicas. A Justiça do Rio já decretou aprisão preventiva do major Edson Santos e de outros nove policiais, acusados de tortura seguida de morte e ocultação de cadáver de Amarildo.

Diálogos comprovam envolvimento de PMS

O diálogo entre um policial militar e sua namorada é uma das confirmações, segundo a polícia, de que os dez PMs indiciados no caso usaram todos os meios necessários para não deixar provas concretas do homicídio do morador da Rocinha.

Segundo consta no inquérito de 2.000 páginas, o PM Marlon Campos Reis disse à namorada, depois de depoimento, que “eles já sabem tudo o que aconteceu, só não têm provas”. O delegado Rivaldo Barbosa, titular da Delegacia de Homicídios do Rio de Janeiro, diz não ter dúvidas de que os agentes são os responsáveis pelo sumiço, tortura e morte do pedreiro.

Veja também:

Amarildo, Presente!

O Globo: Amarildo, epilético, não resistiu a choques elétricos: tortura aconteceu dentro de container da UPP

Cabral diz que investirá em investigação e reciclagem para coibir violência em UPPs

Desaparecimentos em favelas do Rio aumentam após início das UPPs

Inquérito do caso Amarildo expõe barbárie policial; impunidade ameaça

Quadro com PM atirando em negro crucificado será leiloado para ajudar família de Amarildo

Policia investiga casos de tortura na UPP da Rocinha

Conversas de PMs comprovam envolvimento em morte de Amarildo, diz delegado

Veja também:  Bolsonaro usa informações falsas para atacar Miriam Leitão e diz que ela não foi torturada: “drama mentiroso”

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum