Blog da Maria Frô

ativismo é por aqui

19 de março de 2011, 11h00

“Fazer andar outra vez o fluxo da história”

“Fazer andar outra vez o fluxo da história”
Ahmet Davutoglu, Al-Jazeera, Qatar, Tradução: Vila Vudu
16/3/2010

Ministro Ahmet Davutoglu, presidente Lula e ministro Celso Amorim, 14-6-2010

A onda de revoluções no mundo árabe foi espontânea. Mas, ao mesmo tempo, tinha de acontecer. As revoluções eram necessárias para restaurar o fluxo natural da história. Em nossa região – Ásia ocidental e sul do Mediterrâneo – houve duas anormalidades no século passado: primeiro, o colonialismo nos anos 1930s, 40s e 50s que dividiu a região em entidades coloniais, e quebrou os vínculos naturais entre povos e comunidades. Por exemplo, a Síria foi colônia francesa, o Iraque, colônia britânica. Assim, romperam-se laços econômicos e históricos entre Damasco e Bagdá.

A segunda anormalidade foi a Guerra Fria, que somou mais uma divisão: países que viveram juntos durante séculos tornaram-se inimigos, como a Turquia e a Síria. Estávamos na OTAN; a Síria era pró-soviéticos. Nossa fronteira deixou de ser fronteira entre dois estados-nação e tornou-se fronteira entre dois blocos. O Iêmen também foi dividido.

Agora, é tempo de fazer andar outra vez o fluxo da história. Vejo essas revoluções como processo adiado que deveria ter acontecido nos anos 80s e 90s como na Europa Oriental. Não aconteceu porque houve quem dissesse que as sociedades árabes não mereceriam a democracia e careceriam de regimes autoritários para preservar o status quo e impedir o avanço do radicalismo islâmico. Países e governantes que se orgulhavam de sua democracia privada, insistiram em que qualquer democracia no Oriente Médio ameaçaria a segurança de nossa região.

Agora, todos dizemos juntos: não. Um turco comum, um árabe comum, um tunisiano comum pode mudar a história. Acreditamos que a democracia é boa e que nossos povos merecem democracia. Esse é um fluxo histórico natural. Cabe a todos respeitar esse desejo do povo.

Se fracassarmos e não compreendermos que é preciso reconectar as sociedades, comunidades, tribos e etnias em nossa região, perderemos a potência desse momento da história. Nosso futuro está em nosso senso de um destino comum. Todos, na região, temos um destino comum.

Mas, se essa transformação é um fluxo histórico natural, como devemos responder a ele? Em primeiro lugar, precisamos de um plano de emergência para salvar vidas, para evitar o desastre. Segundo, temos de normalizar a vida. Por fim, precisamos reconstruir e restaurar os sistemas políticos em nossa região, exatamente como temos de reconstruir as casas depois de um tsunami.

Para empreender essa restauração, precisamos de um plano, uma visão. E precisamos de autoconfiança. Autoconfiança para dizer: essa região é nossa; nós a reconstruiremos. Para que tudo isso aconteça, temos de compreender claramente os princípios básicos que temos de seguir.

“Respeitar as massas”

Primeiro, temos de confiar nas massas em nossa região. As massas clamam por respeito e dignidade. Hoje, esse é o conceito crítico: dignidade. Fomos insultados durante décadas. Fomos humilhados durante décadas. Agora, queremos dignidade. Isso, precisamente, o povo jovem exigiu, na praça Tahrir. Depois de ouvi-los, ganhei novo otimismo para pensar o futuro. Aquela geração é o futuro do Egito. Eles sabem o que querem. Há nova potência em nossa região, e essa potência deve ser respeitada.

O segundo princípio é que mudança e transformação são necessidade, não escolha. Se a história flui e se resiste a ela, sempre se perde. Nenhum líder, por carismático que seja, consegue deter o fluxo da história. Vivemos tempos de mudança. Que ninguém se deixe prender à lógica da Guerra Fria. Que ninguém diga que só regimes específicos, ou homens, ou alguém, pode garantir a estabilidade de um país. A única garantia de estabilidade que há é o povo.

Em terceiro lugar, a mudança tem de ser pacífica – segurança e liberdade não são excludentes entre si: precisamos das duas. Nessa região, estamos fartos de guerras civis e tensões. Todos temos de agir sabiamente, sem criar violência nem atritos entre irmãos e irmãs. Temos de tornar possível a mudança com o mesmo espírito de destino comum.

Em quarto, precisamos de transparência, de meios para cobrar do poder e prestar ao povo, contas dos atos do poder; precisamos respeitar os direitos humanos e o estado de direito; e precisamos preservar nossas instituições sociais e do estado. Revolução não significa destruição. Outra vez, o Egito é bom exemplo: o exército agiu prudentemente ao não confrontar o povo. Mas, se não há divisão clara entre o papel civil e o papel militar das instituições, surgem problemas. Impressionou-me a decisão do marechal-de-campo Tantawi, de passar o poder à autoridade civil o mais rapidamente possível.

Por fim, é preciso proteger a integridade territorial de nossos países e da região. O status legal e a integridade territorial dos estados, inclusive da Líbia e do Iêmen têm de ser protegidos. Já conhecemos excesso de divisões, separações demais, com o colonialismo e a Guerra Fria.

Esse processo tem de ser conduzido pelo povo de cada país, mas deve haver propriedade regional. Essa é nossa região. Intelectuais, formadores de opinião, políticos dessa região devem reunir-se com mais frequência, para tomar decisões sobre o que deve ser feito em nossa região, no futuro. Estamos ligados uns aos outros, por séculos e séculos que virão.

O que aconteça no Egito, na Líbia, no Iêmen, no Iraque ou no Líbano nos afeta todos. Portanto, temos de mostrar solidariedade aos povos em todos esses países. São indispensáveis mais fóruns regionais, em que se reúnam políticos, líderes em geral, intelectuais, a mídia.

Quase sempre, o “Oriente Médio” – expressão orientalista – é considerado sinônimo de tensões, conflitos e subdesenvolvimento. Mas nossa região foi centro de civilização ao longo de milênios, que nos deram fortes tradições de ordem política na qual florescem ambientes multiculturais. Além dessa herança civilizacional e política, temos recursos econômicos suficientes para fazer de nossa região um centro de gravidade global.

É hora de proceder a reavaliações históricas, para transformar nossa região em região de estabilidade, liberdade, prosperidade, renascimento cultural e co-existência. Nessa nova ordem regional, tem de haver menos violência e menos barreiras entre os países, sociedades, seitas. Mas tem de haver mais interdependência econômica, mais diálogo político e maior interação cultural.

Hoje, o mundo busca uma nova ordem global. Depois da crise financeira internacional, temos de desenvolver uma ordem econômica baseada na justiça; e uma ordem social baseada no respeito e na dignidade. Essa região – nossa região – pode contribuir para a formação dessa nova ordem emergente: nova ordem global, política, econômica e cultural.

Nossa responsabilidade é abrir caminho para essa nova geração e construir uma nova região ao longo da próxima década. O povo dirá que nova região deseja ter.

Veja também:  Que novos Paulos de conversas afiadíssimas ocupem esse enorme vazio deixado por ele

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum