Blog da Maria Frô

ativismo é por aqui

14 de agosto de 2011, 18h28

Paulo Henrique Amorim comenta entrevista de Dilma na Carta Capital

Do blog do Paulo Henrique Amorim, sugestão do leitor Julio Cesar Macedo Amorim.

Para ler a primeira parte da entrevista na íntegra, acesse aqui.

Oposição não tem quem enfrente Dilma

Paulo Henrique Amorim  em seu blog

A partir da página 20 desta edição da Carta Capital, a Presidenta Dilma Rousseff, em entrevista a Mino Carta, Luiz Gonzaga Belluzzo e Sergio Lírio mostra por que o Nunca Dantes a escolheu e por que a popularidade dela dá uma surra no Fernando Henrique.

Começa que ela já assistiu duas vezes ao “Trabalho por Dentro” (Inside Job), o documentário que mostra por que os Estados Unidos quebraram em 2008 e como Obama está inteiro, lá dentro. 

(Este Conversa Afiada se sensibiliza com o gosto cinematográfico da Presidenta, depois compartilhar com ela a devoção incomparável a Emily Dickinson.)



A Presidenta analisa as duas utopias em curso.

 Uma, a dos republicanos americanos – e ela dá nome aos bois -, que acreditam na destruição do Estado como solução. 

(Ronald Reagan foi quem cunhou a expressão “o Estado não é parte da solução; ele é O problema”).

 A outra utopia é a que vige na Europa: uma união monetária em que a economia central estrutura o mercado, vende os produtos ao mercado e não tem nenhuma responsabilidade fiscal.

 Quando alguém quebra, porque tomou muito dinheiro emprestado aos bancos da economia central, como a Grécia, o centro vai lá e salva. 

Mas, quando é a Itália ou a Espanha, aí, fica “mais complexo”, diz ela. 

Ou seja, a vaca vai pro brejo, diz o ansioso blogueiro.

Dos Estados Unidos, o temor é o Banco Central optar por um “quantitative easing 3”, ou seja, irrigar o sistema financeiro com a compra de títulos – e derramar dinheiro em mercados emergentes, como o brasileiro, que é segundo ela, “apetecible”, para usar uma expressão que ouviu de uma ministra argentina.

Sem bravatas, a Presidenta enumera ponto por ponto o que pode fazer, diante de uma crise de tipo novo e cujo perfil ainda não se conhece definitivamente. 

Vai ser uma “marcação homem por homem”, diz ela.

Ela desconcerta os entrevistados, quando tentam demonstrar que as obras para a Copa não ficarão prontas. 

E quando a Carta afirma, “a FIFA é uma organização mafiosa e o nosso líder futebolístico fica muito bem dentro desse panorama”, ela pergunta: 

Quem é o nosso chefe? 

A Carta responde:
 Ricardo Teixeira.

 Do Governo ele não é, diz ela.

 Por isso, ela escalou o BNDES para financiar as obras e não deixar o Teixeira ficar perto do cofre (essa dedução é do ansioso blogueiro).

 Se houver algum problema, diz ela, será com o estádio de São Paulo, que vai ficar pronto em cima da hora. 

(Quem mandou eleger o Padim Pade Cerra governador?)

Ela defende o trem-bala de forma irrefutável.

 E apresenta uma nova “obsessão”, depois de jurar que vai tirar 16 milhões de brasileiros da miséria. 

É a obsessão pelo tratamento médico em casa, o home care: levar o hospital à casa do doente. 

É mais barato, descongestiona os hospitais e diminui o tempo em que as pessoas ficam no hospital.



Sobre o Johnbim. Ora, sobre o Johnbim. Até nas monarquias os reis eram substituíveis, diz ela. 

Daqui a um ano ela quer conversar com o pessoal da Carta sobre o desempenho do Celso Amorim.

 E se alguém ainda é vivandeira, é uma minoria entre militares e na mídia. 

(No PiG (*), a Eliane Catanhêde foi quem liderou a oposição ao Celso Amorim.) 

Afinal, Amorim sempre foi a primeira escolha dela para a Defesa.

Resumo da ópera.

 O PSDB não tem um quadro para enfrentar a Dilma, tecnicamente, num debate. 

O PSDB não tem um líder para enfrentar a Dilma numa campanha pelo país afora.

 O PSDB não tem programa para se contrapor ao da Dilma.

 Quem mandou a oposição delegar ao PiG (*) a formulação de idéias? 

Quem mandou a oposição ficar atrelada ao PSDB de São Paulo, a maior província do Brasil?

Publicidade

diadospais_geral_300x250.gif

Veja também:  Padre Fábio de Melo repudia ataque de Graziano a PHA: "Fala de um deus que é bem pior do que nós"

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum