Blog da Maria Frô

ativismo é por aqui

04 de outubro de 2009, 12h46

Yes, we créu! Rio2016

Seleciono dois textos, vídeos e links que gostaria de compartilhar com vocês. Todos são curtos e vão direto ao ponto.

Não vibrar com esta conquista do Brasil é de uma estupidez tão grande que, simplesmente, acho que ela fala por si mesma.

Seguem os textos que merecem leitura e reflexão, os vídeos para vibrarmos juntos com um presidente genuíno e de grande sensibilidade.

PS. Estava junto na vibração da ‘firma’ com o Azenha e outros amigos comemorando a nossa vitória, a vitória do Brasil e sim, emocionei-me também com a defesa de nosso presidente:

A façanha foi tão grande que ele conseguiu a atenção e sorrisos por quase sete minutos de um jornal que lhe faz oposição sistemática e, muitas vezes, de má-fé,. Se o sorriso de Fátima Bernardes foi ou não sincero não sei,  mas sei que os grandes grupos de mídia são tudo menos burro e jamais perderiam a audiência ousando não transmitir mais esta façanha de Lula ou criticá-lo enquanto o mundo inteiro o aplaudia.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=bkBu2AFH6qA]

A elite está se roendo. A elite odeia o Brasil

Por Luiz Carlos Azenha 02/010/2009

Lula tem sorte. “Rabo”, é o que eles dizem.

O pré-sal foi rabo. A Copa foi rabo. As Olimpíadas? Rabo.

O Brasil? Um horror. É corrupto. Imagine só o que “eles” vão fazer com as verbas das Olimpíadas. Imaginem o que “eles” vão fazer com o dinheiro de nossos impostos.

Cá entre nós, quem é que gosta de esporte?

Quem é que vai se espremer em um estádio sem poder dizer no dia seguinte que teve algum tipo de privilégio?

Privilégio.

Essa é a palavra que define a elite brasileira.

O camarote da Brahma. O lounge exclusivo do aeroporto. A sala VIP.

Veja também:  Será que uma revolução político-social é possível no Brasil?

A separação entre Casa Grande e Senzala é a matriz da brasilidade.

Para os amigos, tudo. Para os inimigos, toda a força da lei.

A cela especial dos diplomados. Os habeas corpus do banqueiro. Os negros que enriquecem e se tornam brancos.

Lula embaralhou bastante as cartas. É um sucesso de público.

Daí o estratagema da elite. Lula sim, o PT não. Lula sim, o Itamaraty é um horror — dominado por chavistas. Lula é um democrata, Morales um demagogo.

É uma forma de negar o protagonismo histórico de Lula e, portanto, da classe na qual ele se originou.

É uma forma de dizer que Lula é inocente, tão vítima quanto todos nós de seus assessores “esquerdistas”.

É a forma antropofágica de nossa elite de engolir Lula, ao mesmo tempo negando tudo o que ele de fato representa.

Por isso, o “rabo” de Lula. A sorte de Lula.

Lembrem-se, o pré-sal não foi resultado da sabedoria da Petrobras.

A Copa do Mundo não foi mérito do Brasil.

As Olimpíadas não foram mérito do Rio de Janeiro.

Não, foi tudo “sorte” do Lula.

Foi um acaso. Foi “rabo”.

O BrasIl? É um horror. “Eles” são corruptos. “Eles” elegem gente corrupta. “Eles” não sabem gastar nosso dinheiro.

O Brasil são “eles”, aqueles que não tem acesso ao nosso camarote, à nossa Casa Grande, à nossa sala VIP.

Se eles fossem como a gente, seríamos Paris. Ou Nova York.

Infelizmente, somos Brasil.

PS: É por isso que, hoje, quando o Rio ganhou, celebrei com os colegas de “firma”. Depois, fomos todos trabalhar.

********

O Rio deve esta a Lula

02/10/2009

Nunca antes, nesse paísNunca antes, nesse país

Por Leandro Fortes

Lula poderia ter agido, como muitos de seus pares na política agiriam, com rancor e desprezo pelo Rio de Janeiro, seus políticos, sua mídia, todos alegremente colocados como caixa de ressonância dos piores e mais mesquinhos interesses oriundos de um claro ódio de classe, embora mal disfarçados de oposição política. Lula poderia ter destilado fel e ter feito corpo mole contra o Rio de Janeiro, em reação, demasiada humana, à vaia que recebeu – estranha vaia, puxada por uma tropa de canalhas, reverberada em efeito manada – na abertura dos jogos panamericanos, em 2007, talvez o maior e mais bem definido ato de incivilidade de uma cidade perdida em décadas de decadência. Vaiou-se Lula, aplaudiu-se César Maia, o que basta como termo de entendimento sobre os rumos da política que se faz e se admira na antiga capital da República. Fosse um homem público qualquer, Lula faria o que mais desejavam seus adversários: deixaria o Rio à própria sorte, esmagado por uma classe política claudicante e tristemente medíocre, presa a um passado de cidade maravilhosa que só existe, nos dias de hoje, nas novelas da TV Globo ambientadas nas oníricas ruas do Leblon.

Veja também:  El País é o primeiro veículo internacional a confirmar veracidade das mensagens divulgadas pelo Intercept

Lula poderia ter agido burocraticamente a favor do Rio, cumprido um papel formal de chefe de Estado, falado a favor da candidatura do Rio apenas porque não lhe caberia falar mal. Deixado a cidade ao gosto de seus notórios representantes da Zona Sul, esses seres apavorados que avançam sinais vermelhos para fugir da rotina de assaltos e sobressaltos sociais para, na segurança das grades de prédios e condomínios, maldizer a existência do Bolsa Família e do MST, antros simbólicos de pretos e pobres culpados, em primeira e última análise, do estado de coisas que tanto os aflige. Lula poderia ter feito do rancor um ato político, e não seria novidade, para dar uma lição a uma cidade que o expôs e ao país a um vexame internacional pensado e executado com extrema crueldade por seus piores e mais despreparados opositores.

Mas Lula não fez nada disso.

No discurso anterior à escolha do Comitê Olímpico Internacional, já visivelmente emocionado, Lula fez o que se esperava de um estadista: fez do Rio o Brasil todo, o porto belo e seguro de todos os brasileiros, a alma da nacionalidade. Foi um ato de generosidade política inesquecível e uma lição de patriotismo real com o qual, finalmente, podemos nos perfilar sem a mácula do adesismo partidário ou do fervor imbecil das patriotadas. Lula, esse mesmo Lula que setores da imprensa brasileira insistem em classificar de títere do poder chavista em Honduras, outra vez passou por cima da guerrilha editorial e da inveja pura e simples de seus adversários. Falou, como em seus melhores momentos, direto aos corações, sem concessões de linguagem e estilo, franco e direto, como líder não só da nação, mas do continente, que hoje o saúda e, certamente, o aplaude de pé.

Veja também:  Será que uma revolução político-social é possível no Brasil?

Em 2016, o cidadão Luiz Inácio da Silva terá 71 anos. Que os cariocas desse futuro tão próximo consigam ser generosos o bastante para também aplaudi-lo na abertura das Olimpíadas do Rio, da qual, só posso imaginar, ele será convidado especial.

Leia e veja também:

Responsabilidade pelos jogos Rio 2016, agora, é de todos os brasileiros

Integra da entrevista do presidente Lula

El Pais

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=RMUJVOkfth8]

Parte 1

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=NVpEn-lOwdo]

Parte 2

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=O2zstVzStQw]

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum