Imprensa livre e independente
15 de junho de 2019, 18h40

Bolsonarista que assassinou Moa do Katendê durante a eleição vai a juri popular em 11 de setembro

Mestre Moa foi esfaqueado 12 vezes nas costas pelo barbeiro Paulo Sérgio Ferreira de Santana no dia do primeiro turno das eleições após dizer que votou em Fernando Haddad

Paulo Sérgio Ferreira de Santana que matou Moa do Katendê (Montagem)
Apoiador de Jair Bolsonaro, o barbeiro Paulo Sérgio Ferreira de Santana, que matou a facadas o mestre de capoeira Moa do Katendê durante as eleições, em Salvador, vai a júri popular em 11 de setembro deste ano. A sessão do júri foi designada na última terça-feira (11). O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) já havia divulgado, no mês de abril, que Paulo Sérgio iria à júri popular, mas a data ainda não tinha sido definida. Ele virou réu após a Justiça da Bahia aceitar a denúncia do Ministério Público Estadual (MP-BA), no dia 22 de outubro de 2018. Motivação política...

Apoiador de Jair Bolsonaro, o barbeiro Paulo Sérgio Ferreira de Santana, que matou a facadas o mestre de capoeira Moa do Katendê durante as eleições, em Salvador, vai a júri popular em 11 de setembro deste ano. A sessão do júri foi designada na última terça-feira (11).

O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) já havia divulgado, no mês de abril, que Paulo Sérgio iria à júri popular, mas a data ainda não tinha sido definida. Ele virou réu após a Justiça da Bahia aceitar a denúncia do Ministério Público Estadual (MP-BA), no dia 22 de outubro de 2018.

Motivação política
O inquérito sobre o assassinato do mestre capoeira Moa do Katendê foi concluído pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Bahia ainda em outubro do ano passado e a discussão político-partidária foi apontada como a motivação para o crime. Romualdo Rosário da Costa, de 63 anos, foi esfaqueado 12 vezes nas costas no dia em que foi realizado o primeiro turno das eleições depois de dizer para um eleitor do candidato Jair Bolsonaro (PSL) que ele tinha votado em Fernando Haddad (PT).

Veja também:  Glenn diz que Moro e Dallagnol destroem evidências públicas e obstruem investigações judiciais

Na noite em que o mestre foi morto, depois de discutir com ele por conta das eleições no bar que fica em Dique Pequeno, bairro do Engenho Velho de Brotas, no centro de Salvador, o autor foi até sua casa, buscou uma faca e voltou para o bar onde estava a vítima. Mestre Moa morreu no local.

Preso em flagrante, o suspeito disse que foi xingado e que estava consumindo bebida alcoólica desde o início da manhã do domingo de eleição. Em depoimento, ele disse estar arrependido.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum