Imprensa livre e independente
13 de julho de 2018, 08h06

Bolsonaro diz que homicídios merecem ‘bala’ e chama Lula de bandido

A arma de fogo é um direito de vocês. É um direito do cidadão de bem. E, mais importante do que a defesa da sua vida, é a defesa da nossa liberdade, que essa esquerdalha, materializada com o nome de PT, partido de trambiqueiros, quer tirar de nós.

Jair Bolsonaro esteve ontem em Marabá, no Pará, local onde a ditadura militar realizou um dos seus maiores massacres contra uma população que resistiu à ditadura no episódio que ficou conhecido como o da Guerrilha do Araguaia. Bolsonaro reafirmou ali o seu discurso belicista e disse que homicídios têm que ser respondidos com “bala”, e não dentro da lei. Segundo informações de O Globo, Bolsonaro ainda teria dito: “A arma de fogo é um direito de vocês. É um direito do cidadão de bem. E, mais importante do que a defesa da sua vida, é a defesa da nossa liberdade, que essa esquerdalha,...

Jair Bolsonaro esteve ontem em Marabá, no Pará, local onde a ditadura militar realizou um dos seus maiores massacres contra uma população que resistiu à ditadura no episódio que ficou conhecido como o da Guerrilha do Araguaia.

Bolsonaro reafirmou ali o seu discurso belicista e disse que homicídios têm que ser respondidos com “bala”, e não dentro da lei. Segundo informações de O Globo, Bolsonaro ainda teria dito:

“A arma de fogo é um direito de vocês. É um direito do cidadão de bem. E, mais importante do que a defesa da sua vida, é a defesa da nossa liberdade, que essa esquerdalha, materializada com o nome de PT, partido de trambiqueiros, quer tirar de nós. Onde o povo trabalha, o PT não cresce”.

E atacou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), chamando de “canalha” e “bandido”.

Veja também:  Carlos Bolsonaro faz birra nas redes após fim das “curtidas” no Instagram

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum