Imprensa livre e independente
12 de julho de 2019, 11h41

Bolsonaro remaneja verba do Mais Médicos para comprar votos de deputados na reforma da Previdência

Cerca de R$ 1,25 bilhão destinado ao programa Mais Médicos foi repartido entre emendas de deputados para o governo conseguir a aprovação da reforma da Previdência em primeiro turno na Câmara

Divulgação/Mais Médicos
Cerca de R$ 1,25 bilhão destinado ao programa Mais Médicos foi repartido entre outros programas de saúde em razão de emendas apresentadas por deputados. A medida aconteceu nos dias que antecederam a votação da reforma da Previdência, na quarta-feira (10) e buscou facilitar o caminho para a aprovação da proposta. Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo Segundo Bernardo Barbosa, do UOL, a Secretaria Especial de Fazenda, do Ministério da Economia, liberou, na semana passada, crédito suplementar de R$ 1,25 bilhão para o Ministério da Saúde após anulação de recursos destinados ao...

Cerca de R$ 1,25 bilhão destinado ao programa Mais Médicos foi repartido entre outros programas de saúde em razão de emendas apresentadas por deputados. A medida aconteceu nos dias que antecederam a votação da reforma da Previdência, na quarta-feira (10) e buscou facilitar o caminho para a aprovação da proposta.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Segundo Bernardo Barbosa, do UOL, a Secretaria Especial de Fazenda, do Ministério da Economia, liberou, na semana passada, crédito suplementar de R$ 1,25 bilhão para o Ministério da Saúde após anulação de recursos destinados ao Mais Médicos.

O dinheiro “liberado” foi usado para atender demandas de deputados federais da Comissão de Seguridade Social e Família. As emendas foram destinadas a serviços de atenção básica e de assistência hospitalar e ambulatorial, buscando beneficiar as bases eleitorais dos parlamentares.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), causou polêmica na início da semana afirmando que a reforma impulsionou a liberação de emendas por parte do governo.

Veja também:  Tabata Amaral disse que "mesmo sendo de esquerda", parlamentar do PSOL nunca maltratou ninguém

Mais Médicos
O Mais Médicos tem sido uma dor de cabeça para o governo. Assim que assumiu a presidência, Bolsonaro reformulou o programa com o objetivo de tirar os médicos cubanos, demonizados pela sua base social. No entanto, ao perceber que as vagas do interior não eram preenchidas, recuou e voltou a chamar cubanos para o programa.

Leia também
Cubano tenta vaga de gari, mas é recusado por atuação no Mais Médicos

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum