Imprensa livre e independente
17 de janeiro de 2017, 15h24

“Boulos não incitou violência”, garante Suplicy; líder do MTST prestou depoimento e será liberado

“Tendo o comandante dito a Boulos que ele já o havia visto em manifestação – inteiramente pacífica – próximo à residência de Michel Temer, como se isso fosse um agravante, avaliei por bem me dirigir até o DP”, disse o vereador pouco antes de ir ao DP e conversar pessoalmente com o líder do MTST. De acordo com Suplicy, Boulos apenas assinou um termo circunstanciado e deve ser liberado em breve. Ouça Por José Augusto, colaborador da O vereador Eduardo Suplicy (PT-SP) esteve, há pouco, no 49º Distrito Policial (DP), para onde o líder do MTST, Guilherme Boulos, foi levado...

“Tendo o comandante dito a Boulos que ele já o havia visto em manifestação – inteiramente pacífica – próximo à residência de Michel Temer, como se isso fosse um agravante, avaliei por bem me dirigir até o DP”, disse o vereador pouco antes de ir ao DP e conversar pessoalmente com o líder do MTST. De acordo com Suplicy, Boulos apenas assinou um termo circunstanciado e deve ser liberado em breve. Ouça

Por José Augusto, colaborador da

O vereador Eduardo Suplicy (PT-SP) esteve, há pouco, no 49º Distrito Policial (DP), para onde o líder do MTST, Guilherme Boulos, foi levado pela Polícia Militar depois de tentar negociar a reintegração de posse de mais de 700 famílias de uma ocupação em São Mateus, zona leste da capital paulista.

Suplicy foi até o DP pois estranhou a justificativa do comandante da operação para deter Boulos, que seria a de que já teria o visto em manifestações em frente a casa de Michel Temer.

“Tendo o comandante dito a Boulos que ele já o havia visto em manifestação – inteiramente pacífica – próximo à residência de Michel Temer, como se isso fosse um agravante, avaliei por bem me dirigir até o DP”, disse o vereador.

Veja também:  "Passar fome no Brasil é uma grande mentira", diz Bolsonaro

Leia também: Prisão de Boulos atende a antigo pedido de DEM e PSDB

Ao chegar no local, Suplicy, acompanhado da também vereadora Juliana Cardoso (PT-SP), conversou pessoalmente com Boulos e, em entrevista à Fórum garantiu que o ativista não incitou a violência, como afirmam os policiais. Boulos estaria, na verdade, tentando pedir para que a PM esperasse a resposta ao pedido da Defensoria Pública para suspender a reintegração.

O vereador afirmou ainda à reportagem que o delegado havia o relatado que Boulos apenas assinou um termo circunstanciado, de pouco peso no âmbito criminal. O líder do MTST prestou depoimento e deve ser liberado em breve.

Ouça, abaixo, o áudio com o depoimento de Eduardo Suplicy e Juliana Cardoso sobre a prisão de Boulos.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum