Imprensa livre e independente
01 de setembro de 2017, 08h27

“Brasil foi sequestrado por ladrões”, diz Joaquim Barbosa

Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal disse que em nenhum país do mundo uma figura como Michel Temer poderia exercer o cargo que ocupa, depois de acusações tão graves.

Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal disse que em nenhum país do mundo uma figura como Michel Temer poderia exercer o cargo que ocupa, depois de acusações tão graves. Da Redação* “Com o golpe de 2016, o governo brasileiro foi tomado de assalto por ladrões, que liquidaram as instituições”. A frase contundente é de Joaquim Barbosa, ex-ministro e presidente do Supremo Tribunal Federal, e um dos potenciais candidatos à presidência da República em 2018. “O Brasil foi sequestrado por um bando de políticos inescrupulosos que reduziram as instituições a frangalhos”, disse ele, em entrevista à jornalista Maria Christina Fernandes, publicada no...

Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal disse que em nenhum país do mundo uma figura como Michel Temer poderia exercer o cargo que ocupa, depois de acusações tão graves.

Da Redação*

“Com o golpe de 2016, o governo brasileiro foi tomado de assalto por ladrões, que liquidaram as instituições”. A frase contundente é de Joaquim Barbosa, ex-ministro e presidente do Supremo Tribunal Federal, e um dos potenciais candidatos à presidência da República em 2018. “O Brasil foi sequestrado por um bando de políticos inescrupulosos que reduziram as instituições a frangalhos”, disse ele, em entrevista à jornalista Maria Christina Fernandes, publicada no Valor.

Barbosa declarou, também, que em nenhum país uma figura como Michel Temer – acusado de levar propinas da Odebrecht e da OAS, além de comprar o silêncio de Eduardo Cunha e Lúcio Funaro – permaneceria no cargo depois de acusações tão graves. O ex-ministro também denunciou a nova etapa do golpe. “Essa gente é tão sem escrúpulo que vai tentar impor o parlamentarismo para angariar a perpetuação no poder e se proteger das investigações. Esse é o plano. Seria mais um golpe brutal nas instituições. Seria uma irresponsabilidade absurda testar um experimento exótico desse, como se fosse um brinquedinho, um ioiô”, disparou.

Veja também:  Na Argentina de Macri, a “uberização” do trabalho atinge até os mais idosos

Ele também afirmou que, com Temer no poder, o país se tornou num pária internacional. “O Brasil passa por um retrocesso institucional que se reflete em sua imagem externa. É um país incontornável, mas que está impedido de exercer seu papel internacional por força da conjuntura triste pela qual passamos. É triste ver os grandes líderes mundiais evitarem o Brasil”.

O ex-ministro também disse que a ordem jurídica foi subvertida e que Temer não teve a honradez de abandonar o cargo que usurpou. “Eles instauraram no Brasil a ordem jurídica deles, e não a das nossas instituições. O Brasil teve um processo de impeachment controverso e patético e o mundo inteiro assistiu. A sequência daquele impeachment é o que estamos vendo hoje. Não há parâmetro de comparação entre a gravidade dos fatos. Michel Temer deveria ter tido a honradez de deixar a presidência”.

Ele completou dizendo que Lula não deveria ser candidato, mas acabou sendo empurrado a isso, em razão da campanha de ódio empreendida pela direita brasileira. “Acho que ele não deveria ser candidato. Vai rachar o país ainda mais. Já está em idade de usufruir da vida e do dinheiro que ganhou com suas palestras. Só que o estão empurrando para ser candidato, com essa cruzada que o coloca contra a parede. É um ódio irracional esse que apareceu no país”.

Veja também:  Rodrigo Maia diz que não indicaria filho para ser embaixador

*Com informações do Brasil 247

Fotos: Fellipe Sampaio/SCO/STF e Lula Marques/AGPT/Fotos Públicas

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum