MONSTRUOSIDADE

Como foi o dia do atirador de Aracruz (ES): a rotina macabra após assassinatos

Adolescente baleou 16 pessoas com as armas do pai, um oficial da PM capixaba, matando quatro, e manteve naturalidade total após morticínio, até ser preso. Veja seus passos no dia da chacina

Atirador de Aracruz (ES) fugindo da primeira escola que atacou.Jovem de 16 anos matou quatro pessoas e feriu outras 12 num ataque a tiros a duas escolas de Aracruz, no Espírito SantoCréditos: Twitter/Reprodução
Escrito en BRASIL el

O adolescente de 16 anos que invadiu duas escolas no município de Aracruz (ES) na última quinta-feira (25), matando quatro pessoas e baleando outras 12, teve um dia “normal” após produzir o massacre que chocou o país e seguiu uma rotina de naturalidade depois de cometer a brutalidade.

Durante uma entrevista coletiva realizada nesta segunda-feira (28), o delegado João Francisco Filho, superintendente da Polícia Civil do Espírito Santo, contou aos jornalistas como foi a rotina do jovem assassino após realizar o ataque às escolas. Os tiros ocorreram por volta das 9h30 e na sequência o filho de um oficial da PM voltou para a residência onde vivia com a família.

Querem nos calar! A Fórum precisa de você para pagar processos urgentes. Clique aqui para ajudar

Quando chegou em casa o atirador não encontrou ninguém. Ele sabia pelo horário que os pais estariam fora. Foi então que colocou todas as roupas usadas no ataque de volta no lugar, dobradas, e guardou a pistola e o revólver do pai nos mesmos lugares, sendo que o calibre .38 ficava numa caixa trancada com cadeado e a Glock .40, da Polícia Militar, “escondida” numa gaveta com roupas.

Ele aguardou seus responsáveis chegarem, escutou deles a informação sobre o ataque a tiros nas escolas da cidade, no bairro do Coqueiral, mas nada disse. Depois, almoçou tranquilamente com os dois e pegou suas coisas para ir à casa de praia da família.

No caminho para o imóvel de veraneio o pai já estaria desconfiado do filho, uma vez que vídeos estavam sendo compartilhados nas redes sociais e na imprensa mostrando o atirador. Ao chegarem ao destino o jovem confessou aos pais a autoria do massacre e o tenente da PM então iniciou as tratativas para entregar o filho.