PERIGO

Jovem com plano terrorista é internada no interior de São Paulo

Justiça ordenou que adolescente inspirada pelo neonazismo fosse impedida de ir à escola

A pacata cidade de Auriflama, no interior paulista, tem cerca de 15 mil habitantes
Escrito en BRASIL el

Uma adolescente de treze anos de idade, moradora da cidade de Auriflama, no interior de São Paulo, teve sua internação determinada pela Justiça após a polícia encontrar fortes indícios de que ela planejava um atentado terrorista contra a escola em que estudava.

Em decisão do juiz Tobias Guimarães Ferreira, o plano da garota se enquadra em crime análogo ao de terrorismo.

As autoridades encontraram duas armas no quarto da garota ainda em maio: uma espingarda e um revólver, além de munição e desenhos de inspiração violenta.

No computador no celular, foram encontrados diversos materiais com conteúdo neonazista e materiais de caráter supremacista branco.

A jovem planejava o crime para maio deste ano, mas foi impedida pelas autoridades antes de executar seu plano. De acordo com o Tribunal de Justiça, sua identidade será mantida em segredo para sua proteção. O caso tramita em segredo de justiça.

Segundo o mesmo órgão, o juiz ordenou que a adolescente passe por acompanhamento psicológico, programa de proteção e assistência social. 

O magistrado registrou em sentença que a adolescente "efetivamente planejava um ataque a sua escola, movida por razões de discriminação, para tanto tendo se apoderado de arma de fogo pertencente a seu pai e planejado adquirir arma de fogo de terceiro", disse.

O jurista também afirmou no documento que a adolescente "já tem consciência de que os ideais propagados, de supremacia racial e de intolerância, não aderem à ética da modernidade pós-guerra" e concluiu que a medida de internação é a mais eficiente para reduzir o efeito "perigoso e contagioso" do neonazismo.