LIBERDADE DE EXPRESSÃO

Fake news: para maioria dos brasileiros, internet não é 'terra sem lei'

Pesquisa Datafolha mostra que 61% dos entrevistados acreditam que não é possível postar qualquer coisa nas redes sociais, enquanto 38% são favoráveis a essa liberdade

Créditos: Reprodução internet
Escrito en BRASIL el

No contexto do debate atual sobre os limites da liberdade de expressão, uma pesquisa do Datafolha investigou a opinião dos brasileiros sobre o assunto. De acordo com o levantamento, 61% dos entrevistados acreditam que não é possível postar qualquer coisa nas redes sociais, enquanto 38% são favoráveis a essa liberdade.

O instituto apresentou a seguinte afirmação para 2.010 pessoas: "As pessoas devem ter o direito de dizer o que pensam nas redes sociais, mesmo que isso ofenda alguém". A maioria dos participantes (44%) discordou dessa frase de forma convicta, enquanto 17% discordaram parcialmente.

De acordo com reportagem da Folha de S.Paulo publicada neste sábado (1), dentre os entrevistados, 25% concordaram completamente com a afirmação, enquanto 13% concordaram parcialmente.

Observou-se que a resistência à liberdade total é um pouco maior entre os mais jovens, com 66% dos entrevistados entre 16 e 24 anos discordando da afirmação.

Além disso, aqueles com maior nível de escolaridade, como os portadores de diploma de curso superior, também demonstraram maior resistência, com 67% discordando.

Em relação ao gênero, os homens apresentaram maior aceitação da afirmação, com 41%, enquanto as mulheres tiveram uma taxa de aceitação menor, com 34%.

Quando analisado o aspecto político, nota-se que a polarização brasileira teve influência na discussão, principalmente após o início do inquérito das fake news pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em 2019. Eleitores de Jair Bolsonaro em 2022 discordam menos da afirmação, com 54%, em comparação com os eleitores do atual presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, que apresentam uma taxa de discordância de 66%.

A pesquisa foi realizada entre os dias 12 e 14 de junho em 112 cidades, com uma margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos.