Fórum Educação
10 de março de 2020, 14h08

“A tarefa de colocar freio no genocídio negro continua”, diz Douglas Belchior sobre massacre de Paraisópolis

A tragédia completou 100 dias nesta segunda-feira (9). Para o ativista, o argumento de "legítima defesa" usado por PMs é "irresponsável e mentiroso"

Foto: Divulgação/Reprodução Facebook

O massacre protagonizado pela Polícia Militar do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), na favela de Paraisópolis, deixando nove jovens mortos e dezenas de feridos, completou 100 dias nesta segunda-feira (9). Ativistas e líderes comunitários ainda cobram justiça pela tragédia, enquanto a mais recente declaração da Corregedoria da PM aponta que agentes agiram em “legítima defesa”.

Para o professor de História e ativista Douglas Belchior, a principal tarefa dos movimentos populares é de persistir na luta contra o genocídio da população negra. Além disso, para ele, o uso do argumento de “legítima defesa” pela Corregedoria não justifica os assassinatos.

“Tem sido recorrente a utilização do conceito da legítima defesa para justificar o excludente de licitude para as ações policiais. As imagens falam por si. A atuação da polícia foi desmedida, irresponsável, senão premedidata. Aquela ação de Paraisópolis não tem nada de legítima defesa, a Corregedoria nesse caso está sendo irresponsável”, disse, em entrevista à Fórum.

“A polícia é grande responsável por aquele tumulto e por aquelas mortes. Aquilo foi feito de maneira deliberada e planejada”, continuou.

No mesmo dia em que se completou 100 dias do massacre, Doria decidiu trocar o comando-geral da corporação por conta do atual mal-estar entre agentes, o que poderia levar a um motim no estado. Contudo, Douglas diz que o governador tucano tem muitas similaridades ideológicas com a corporação, o que torna o motim algo improvável.

“Há setores das forças armadas e das forças policiais em todos os estados que são adeptas às práticas milicianas e fascistas, muito estimuladas pelo clima político, pelos governos dos estados e pelo presidente da República. Com o governo fascista de Doria, eles encontram muito mais similaridades do que contraposições, diferente do que se estabeleceu no Ceará, onde se tem um governo opositor a governos fascistas”, comentou.

“A sensação que fica é de revolta. Nossa missão é transformar essa sensação em ações concretas de denúncia, de resistência, de fortalecimento das comunidades. Infelizmente, os danos são irreperáveis. A tarefa de colocar um freio no genocídio continua”, finaliza.

Denúncia na OEA

A Coalizão Negra por Direitos, grupo formado por mais de 60 organizações antirracistas, denunciou na última sexta-feira (6) na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), instituição vinculada à Organização dos Estados Americanos (OEA), a violência policial do governo de Jair Bolsonaro, assim como dos governos estaduais, que mata constantemente jovens negros de periferia – como foi o caso do massacre em Paraisópolis.

As denúncias abordaram especialmente São Paulo e Rio de Janeiro, estados governados por Doria e Wilson Witzel (PSC), respectivamente. A audiência sobre o tema aconteceu na cidade de Porto Príncipe, no Haiti.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum