Fórumcast #20
10 de agosto de 2019, 16h38

Apoiador da maconha medicinal, padre é ameaçado de morte por conservadores após ato com feministas

Ao menos um dos grupos de onde partem os ataques, o Templário de Maria, é simpatizante de Jair Bolsonaro. "O Papa já deixou claro que todos os católicos devem se opor ao lobby gay, à ideologia de gênero", publicou, em nota, o Salve Roma, grupo extremista conservador católico

Padre Ticão, da Paróquia São Francisco de Assis, em Ermelino Matarazzo (Reprodução)

Apoiador do cultivo da maconha medicinal, o padre Ticão, conhecido líder comunitário da zona leste de São Paulo, está sendo ameaçado de morte por grupos conservadores católicos após promover uma palestra sobre gênero, direitos sexuais, direitos reprodutivos e religião, com a participação da organização Católicas pelo Direito de Decidir, durante a 36ª Semana da Juventude, organizada pelo grupo da comunidade Renovação Jovem da Paróquia São Francisco de Assis, em Ermelino Matarazzo.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Pelo Facebook, a organização Católicas pelo Direito de Decidir, formada por feministas e que defende a discussão de temas como o aborto, diz que o “padre Ticão, integrantes da Paróquia São Francisco de Assis e jovens do grupo Renovação Jovem estão sendo atacados com mensagens de ódio, calúnias e ameaças de morte. Provocada por quem não se propõe a exercitar o diálogo, a avalanche de violência tenta sufocar as vozes de uma comunidade de fé conhecida pela luta nas questões sociais”.

Veja também:  Indicado por Flávio Bolsonaro à PGR mente sobre apoio de Fux e Toffoli

Ao menos um dos grupos de onde partem os ataques, o Templário de Maria, é simpatizante de Jair Bolsonaro, compartilhando publicações sobre a “religiosidade” do presidente, como a declaração em que diz que “o Estado é laico, mas eu sou cristão”.

Mais radical, o grupo extremista católico Salve Roma emitiu nota dizendo que Padre Ticão autorizou e ajudou a promover o “pecaminoso evento”, um “herético ato pró-aborto foi realizado na Paróquia de São Francisco de Assis”.

“Esta paróquia está contra a hierarquia e contra a Autoridade Suprema: o Papa Francisco. O Papa já deixou claro que TODOS OS CATÓLICOS devem se opor ao lobby gay, à ideologia de gênero, ao aborto em todos os casos e aos contraceptivos”, diz a nota.

Para as Católicas pelo Direito de Decidir, o país atravessa um período assombroso. “Se tornaram cotidianos os retrocessos nos direitos e nas políticas públicas, o aumento das desigualdades sociais e da violência contra grupos marginalizados. Os ataques não devem intimidar quem se propõe a fortalecer uma sociedade mais justa e uma fé mais solidária”.

Veja também:  "É só comparar": Lula publica vídeo de entrevista falando sobre Amazônia na época em que era presidente

Deus é cannabista
Apoiador do cultivo da maconha medicinal, padre Ticão é alvo constante de movimentos extremistas conservadores da igreja católica. No salão da paróquia São Francisco de Assis, ele já chegou a montar um curso para discutir e aprender mais sobre o uso medicinal da cannabis, substância derivada da maconha e fonte de variadas propriedades terapêuticas.

“Não vou dizer que Deus é maconheiro, eu realmente não sei. Mas com certeza ele é cannabista”, fala o padre, segundo reportagem da revista Carta Capital.

O padre tem em seu altar no salão paroquial uma foto do Papa Francisco, de Paulo Freire, com quem trabalhou diretamente, e um grande pôster de Dom Evaristo Arns, sua principal referência. “Sigo seu legado, que é o do bem comum, público. Em toda minha vida, uma única pessoa me criticou por falar da cannabis, mas eu disse a ela que caso precise para tratar alguma doença, que nos procure. O povo da periferia é fantástico.”


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum