Fórumcast, o podcast da Fórum
17 de abril de 2018, 22h23

Apoiadores de Lula em Curitiba são agredidos com barras de ferro

Agressões ocorreram durante a realocação do acampamento Lula Livre que, depois de acordo com a Justiça, foi transferido para outro local, também próximo à PF; presidente do PT do Paraná denuncia a negligência do governo local em não fornecer segurança mesmo com o cumprimento do acordo

Foto: Gibran Mendes

Apoiadores do ex-presidente Lula que integram o acampamento Lula Livre em Curitiba (PR) foram agredidos por opositores com barras de ferro na noite desta terça-feira (17). De acordo com Doutor Rosinha, presidente do PT paranaense, as agressões ocorreram durante a realocação do acampamento, que saiu do lugar onde estava desde o dia 7 e foi para um terreno privado a poucas quadras da sede da Polícia Federal onde o ex-presidente Lula está preso.

A mudança de local do acampamento foi acordada entre dirigentes petistas e dos movimentos sociais com o Ministério Público, a prefeitura de Curitiba e o comando da Polícia Militar.

“Quando tiramos o acampamento para vir de lá para cá, pessoas foram agredidas com barras de ferro. E mesmo aqui no acampamento, pessoas passam provocando. E nós estamos respeitando a todos. Depois eu sei como acontece: quando há qualquer coisa, são os movimentos que são violentos, e aí vai a Rede Globo contar a versão dela. A versão deles é sempre mentirosa. A verdade é que as pessoas foram agredidas e não têm defesa. Escuta, prefeitura, vocês tem palavra ou não tem? Cadê a segurança?”, disse Rosinha, que informou que já solicitou à PM reforço na segurança do acampamento.


Vídeo: Eduardo Matysiak/Agência PT

 

Confira, abaixo, a nota oficial da organização do acampamento sobre as agressões.

NOTA DO ACAMPAMENTO LULA LIVRE EM REPÚDIO CONTRA AGRESSÕES
Ontem (16), pela manhã, a organização do Acampamento Lula Livre esteve reunida com representantes da Procuradoria do município de Curitiba, do Ministério Público, da Comissão de Direitos Humanos da OAB, do Comando da Polícia Militar, e com o assessor da governadora Cida Borghetti.
Foi acordado nesta reunião que o acampamento seria realocado para terrenos privados, nas proximidades da Polícia Federal.
Cumprindo esta exigência, a organização do acampamento Lula Livre solicitou ao Governo do Estado e à Secretaria de Segurança Pública, que mantivessem nos locais de acampamento ao menos uma viatura policial, para garantir a segurança dos acampados. Acordo que, até o momento, não tem sido cumprido pelos órgãos de segurança pública. 
Os acampados foram realocados para dois terrenos privados, conforme acordo, próximos à Polícia Federal. A falta de segurança levou a um ataque aos acampados localizado na esquina das ruas Joaquim Nabuco e São João, que foram atacados quando atravessavam a Avenida Paraná.
Um grupo de torcedores, que se autoidentificaram como integrantes da torcida do Coritiba Foot Ball Club , da Império Alviverde, agrediu agora à noite integrantes do MST, que ficaram feridos.
A organização do acampamento Lula Livre exige dos órgãos de segurança pública uma resposta quanto ao não cumprimento do acordo estabelecido em reunião. Ainda pede que as medidas cabíveis sejam tomadas e que a segurança seja efetiva nos locais onde permanecem os acampados.
Não seremos intimidados, nossa organização e mobilização seguirá forte! 
Acampamento Lula Livre
17 de abril de 2018

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum