Fórumcast, o podcast da Fórum
01 de outubro de 2018, 13h16

Após nomear militar como assessor, Toffoli se refere a “movimento de 1964” para falar do golpe

General da reserva Fernando Azevedo e Silva, nomeado para assessoria no STF, participou de um grupo formulador de propostas para a campanha de Jair Bolsonaro (PSL).

Foto: Agência Brasil

Após nomear o general da reserva Fernando Azevedo e Silva para assessorá-lo na presidência do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Dias Toffoli afirmou na manhã desta segunda-feira (1º) que não se refere “nem a golpe, nem a revolução de 64”.

Em palestra no evento “30 anos da Constituição Federal de 1988”, na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), o ministro disse que os militares serviram como uma ferramenta de intervenção que, em vez de funcionar como moderadores, optaram por ficar no poder, segundo o portal Jota.

Com isso, segundo ele, os militares se desgastaram com ambos os lados, direita e esquerda, que criticaram o governo militar. “Por isso, não me refiro nem a golpe nem a revolução de 64. Me refiro a movimento de 1964”, disse Toffoli.

Militar no Supremo
Em reportagem publicada nesta segunda-feira (1º), a Folha de S.Paulo questionou o ministro sobre a presença do general da reserva na assessoria da presidência do STF. Segundo o jornal, Toffoli disse, via assessoria, que “a escolha obedeceu a critérios objetivos de habilidades e competências”.

O general Azevedo e Silva foi sugerido ao ministro pelo general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército Brasileiro.

A revista Época revelou que Silva participou de um grupo formulador de propostas para a campanha de Jair Bolsonaro (PSL) e ofereceu almoço ao vice da chapa, general da reserva Antônio Hamilton Mourão. Foi apenas uma reunião de “velhos camaradas”, Silva disse à revista.

“O convite foi uma má ideia do ministro Toffoli”, diz o criminalista José Carlos Dias, ministro da Justiça no governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), ouvido pela Folha. “O Supremo jamais precisou de uma assessoria militar. A escolha fica mal para o STF, pois é absolutamente desnecessária”.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum