Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
08 de janeiro de 2020, 10h54

Após prender miliciano, PM do Rio diz que foi ameaçado por colegas da corporação

O agente disse ainda que sua vida “acabou depois da prisão”

Foto: Reprodução

Um policial militar denunciou à Justiça que foi ameaçado por colegas de farda, que segundo ele, não são “apenas policiais”, por ter prendido, em fevereiro de 2018, o miliciano Wagner Evaristo da Silva Junior, o Junior Play, na Praça Seca, Zona Oeste do Rio.

Durante a denúncia, em depoimento prestado na 2ª Vara Criminal do Fórum de Jacarepaguá, em agosto de 2018, o PM disse que “sofreu pressão de alguns de seus colegas de farda.

Play é um dos chefes do grupo paramilitar que domina a favela Bateau Mouche.

O PM pediu para prestar depoimento sem a presença do réu na sala de audiência. O agente disse ainda que sua vida “acabou depois da prisão”. Ele afirmou que pediu para ser transferido de batalhão após a ocorrência e que teve que se mudar com a família porque foi alertado por policiais que seria feita uma “judiaria” com ele.

Ele disse também que “se soubesse que o réu Wagner era o chefe da milícia, não se envolveria na ocorrência”. Ele afirmou ainda que foi ameaçado de morte pelo miliciano, que teria pedido para o agente “não botar carga” em seu depoimento.

Por fim, disse que informou à PM sobre as ameaças e pediu arma e colete à corporação. De acordo com o relato, nenhum dos pleitos foi atendido.

A prisão de Junior Play aconteceu em 4 de fevereiro de 2018. Na ocasião, o policial estava de serviço quando foi alertado que havia milicianos extorquindo quentinhas do estabelecimento.

No local, encontrou Wagner armado com uma pistola e colocando as refeições num carro. Dentro do veículo, o agente apreendeu um carregador de fuzil, 37 munições ponto 40, duas munições 5.56, duas munições 7.62 e R$ 6.700. No momento da prisão, Wagner já teria ameaçado o PM: “Olha o que você está fazendo, você tem família”, teria dito o miliciano.

O juiz Aylton Cardoso Vasconcellos determinou que a PM tomasse providências “com relação à preservação da integridade física do policial”.

Graças ao depoimento do PM, o miliciano foi condenado a 11 anos de prisão pelos crimes de constituição de milícia privada e porte ilegal de arma de fogo. Wagner recorreu da decisão.

Com informações do Extra

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum