Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
15 de fevereiro de 2018, 08h56

Ator relata ter sido agredido a coronhadas após ser vítima de ofensas homofóbicas em shopping de SP

Rapaz faz post em rede social, no qual mostra sangramento na cabeça; seguranças do centro comercial não conseguiram capturar o agressor

João Pedro Medeiros postou em sua página no Facebook o registro da agressão sofrida no banheiro de um shopping – Foto: Reprodução/Facebook

Mais um caso de preconceito e intolerância foi registrado em São Paulo. Dessa vez dentro de um shopping center. Um ator de 23 anos relatou, em sua página na rede social, ter sido atingido por uma coronhada na cabeça com um revólver, depois de ser vítima de ofensas homófobicas dentro do banheiro de um centro comercial em Higienópolis, área nobre da região central da capital paulista.  O golpe provocou um corte e sangramento, conforme imagens publicadas pelo rapaz em seu perfil no Facebook. O agressor não foi identificado por seguranças do centro comercial.

João Pedro Medeiros foi insultado e agredido quando usava o banheiro do Shopping Pátio Higienópolis. O caso foi registrado no 77º Distrito Policial, em Santa Cecília, que instaurou inquérito para apurar o crime. Imagens de câmeras de segurança deverão ajudar na investigação.

Segundo o rapaz, as ofensas começaram quando ele usava o mictório. “Tinha dois caras usando os mictórios do lado do que eu estava usando quando ele [o agressor] saiu da cabine atrás de mim, olhou para o lado dos mictórios e falou: ‘Esse viado do caralho fica aqui no banheiro… Tem tudo que morrer, esses bandos de filho da puta’. Só pensei ‘que homofóbico babaca’, e imaginei que ele tivesse saído do banheiro”, contou.

Ao sair da área do mictório e ir em direção à pia, João percebeu que o homem permanecia no banheiro e se aproximava dele. “Virei pro lado e levantei os braços e os ombros pra questionar por que ele estava olhando. Nessa hora ele falou: ‘o que você tá olhando, seu viado do caralho?’. Em seguida, sacou a arma e, do jeito que pegou, bateu na minha cabeça”, disse. “Ele estava com um olhar agressivo, parecia estar sob o efeito de cocaína”.

Segundo João, ao ser atingido pela coronhada, ele sentiu algo como um “choque elétrico”, “como se fossem vários golpes”, mas não consegue precisar quantas vezes o agressor o golpeou. “Na hora que vi a arma, pensei que fosse morrer. Quando ele bateu, fiquei como se tivesse acabado de acordar, sem entender o que estava acontecendo, e saí correndo no shopping com sangue jorrando pelasa minhas costas e pedindo ajuda”, contou.

O rapaz disse não ter visto nenhum segurança entre o banheiro e a porta de saída do shopping. Ele correu até o lado de fora do estabelecimento, gritando, quando uma médica o abordou e o acalmou até que ele fosse levado para o ambulatório do centro comercial.

“Não queriam me mandar para o hospital numa ambulância. Só depois que o meu amigo, que é médico e solicitou uma ambulância, chegou que disponibilizaram uma”, afirmou. João disse, ainda, que antes de ir para o hospital falou com seguranças, que disseram não ter identificado o agressor. No hospital, ele levou cerca de oito pontos na cabeça.

Por meio de nota, o shopping Pátio Higienópolis informou que já encaminhou as imagens do circuito interno de segurança para as autoridades competentes e que colabora para a solução do caso. Segundo o centro comercial, João Pedro Medeiros foi “imediatamente atendido pela equipe de primeiros socorros e levado para o hospital”.

Acompanhe a íntegra da nota:

O Shopping Center Pátio Higienópolis reitera que não compactua com qualquer tipo de violência.

O empreendimento esclarece que o cliente foi imediatamente atendido pela equipe de primeiros socorros e levado para o hospital. O shopping reforça ainda que já encaminhou as imagens para as autoridades competentes e segue colaborando para solução do caso.

Com informações do G1


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum