Fórumcast #20
15 de fevereiro de 2018, 21h12

Autor de foto racista no Carnaval se pronuncia: “Não exerço preconceito. Sou da periferia”

Lucas Almeida tirou uma selfie com um grupo de jovens negros com a frase "vou roubei seu celular", gesto que foi interpretado como racismo pelos próprios jovens da foto e pelo seu chefe, que acabou o demitindo após a repercussão. Agora, pede desculpas, mas minimiza o caso

Após toda a repercussão negativa, o estudante de Educação Física, Lucas Almeida, resolveu vir à público, nesta quinta-feira (15), para se pronunciar sobre a foto que tirou com um grupo de garotos negros em um bloco de carnaval de Vitória (ES) que foi interpretada como um gesto racista.

Ao se deparar com um grupo de jovens negros, Lucas, que é branco, pediu para tirar uma selfie e, na legenda, escreveu: “Vou roubei seu celular”.

Os próprios jovens que aparecem na foto – que, inclusive, não conheciam Lucas – interpretaram o gesto como racista. A denúncia foi feita por um deles, Iarley Duarte, que contou à Fórum como se sentiu após ver a foto publicada. “Ficamos com muita raiva, indignados, tristes e revoltados pelo gesto, pela discriminação por conta da nossa cor e pela nossa classe social”, afirmou.

Quem também interpretou o gesto como racista foi o chefe de Lucas no estúdio que ele trabalha. Pelo Facebook, Fabrício Affonso, que também é negro, repudiou a atitude de seu ex-funcionário e anunciou sua demissão: “Não nos interessa funcionário com esse perfil”.

Veja também:  Esquerda se divide e acordo para exploração comercial de Alcântara é aprovado em comissão

Somente depois disso tudo é que Lucas, o autor da foto, resolveu fazer sua postagem de retratação. No texto, o jovem pede desculpas e afirma que não tinha intenção de ofender ninguém. “Peço sinceras desculpas às pessoas que apareceram na foto e a quem mais eu tenha ofendido com meu post no Instagram, reiterando que essa nunca foi minha intenção”.

Ele minimiza, no entanto, que tenha agido com preconceito e sustenta a tese de que foi mal interpretado. “Não tenho, não exerço e me oponho a qualquer manifestação de preconceito, seja ele de raça/etnia, de religião, de gênero, de orientação sexual, de classe ou de capacidade e quem me conhece e convive comigo sabe bem disso. A frase de meu post replica um meme famoso veiculado na internet, que usei para fazer uma referência a mim mesmo – como se percebe pela frase na primeira pessoa do singular –, indicando que a brincadeira era para criticar e combater, usando de ironia, uma reconhecida injustiça e discriminação social. Reconheço agora que a brincadeira foi infeliz, inoportuna e precipitada pelo contexto da imagem, produzindo uma interpretação outra, que eu não pretendia, ensejada pelo clima festivo e de euforia do carnaval”, escreveu.

Confira a íntegra.

Veja também:  Dilma Rousseff: "#LulaLivre é um imperativo moral, uma exigência civilizatória"

NOTA DE RETRATAÇÃO :

Peço sinceras desculpas às pessoas que apareceram na foto e a quem mais eu tenha ofendido com meu post no Instagram, reiterando que essa nunca foi minha intenção. Não tenho, não exerço e me oponho a qualquer manifestação de preconceito, seja ele de raça/etnia, de religião, de gênero, de orientação sexual, de classe ou de capacidade e quem me conhece e convive comigo sabe bem disso. A frase de meu post replica um meme famoso veiculado na internet, que usei para fazer uma referência a mim mesmo – como se percebe pela frase na primeira pessoa do singular ¬–, indicando que a brincadeira era para criticar e combater, usando de ironia, uma reconhecida injustiça e discriminação social. Reconheço agora que a brincadeira foi infeliz, inoportuna e precipitada pelo contexto da imagem, produzindo uma interpretação outra, que eu não pretendia, ensejada pelo clima festivo e de euforia do carnaval. Essa interpretação não condiz com minha personalidade, com quem sou, com minha prática de vida e minhas ideias. Minha intenção era criticar o sistema e não o reproduzir. A composição da mensagem irônica não deu conta disso e causou o efeito inverso. Sou morador da periferia e sempre me irmanei e engajei nas lutas e causas populares, porque elas dizem respeito à minha condição social e pessoal. Reafirmo aqui meu pedido de desculpas às companheiras e aos companheiros dessa luta diária contra as injustiças e discriminação de toda espécie.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum