Brasil chega a 50% da população totalmente vacinada contra a Covid-19

São Paulo é o Estado que mais imunizou com as duas doses; mais de 600 mil pessoas morreram por causa da doença no país

Apesar das fake news do presidente Jair Bolsonaro e sua recusa em se imunizar contra a Covid-19, o Brasil chegou a 50% da população totalmente vacinada nesta quarta-feira (20).

São 109.919.877 pessoas que tomaram a segunda dose ou dose única, enquanto 151.541.983 receberam apenas a primeira – 71% da população.

São Paulo é o Estado que mais vacinou com as duas doses: 67% da população está completamente imunizada, enquanto 80% tomou a primeira dose.

Mais de 600 mil pessoas morreram por causa do coronavírus no país: foram 603.855 óbitos no total, sendo 390 nas últimas 24 h. Além disso, 21.664.879 foram infectadas, 12.969 entre ontem e hoje.

Notícias relacionadas

O Ministério da Saúde revelou no último dia 12 que estão garantidas para 2022 o total de 354 milhões de vacinas contra a Covid-19 para o Plano Nacional de Imunização (PNI) de 2022.

Segundo o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, os imunizantes que devem compor a campanha de vacinação contra o coronavírus no ano que vem serão os da Pfizer e AstraZeneca.

Como já especulado, a vacina CoronaVac não consta no PNI de 2022. De acordo com Queiroga, se o imunizante produzido pela SinoVac obtiver registro definitivo na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), poderá ser acrescentado à campanha de vacinação.

Avatar de Carolina Fortes

Carolina Fortes

Repórter colaborativa no site Emerge Mag e antiga editora-assistente no site da Jovem Pan. Ex-repórter no site Elástica. Formada em jornalismo e faz a segunda graduação em Letras na Universidade de São Paulo (USP). Acredita no jornalismo como forma de impacto social e defende maior inclusão e representatividade.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR