Câmara aprova projeto do PT que dá 50% de desconto no gás de cozinha a famílias pobres

Botijão, em algumas regiões, chega a custar mais de R$100 e, em meio à inércia do governo Bolsonaro, pessoas já vêm sofrendo queimaduras e acidentes fatais ao cozinhar com lenha ou álcool

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (29), o Projeto de Lei (PL) 1374/21, que institui o Gás Social – um desconto destinado a famílias de baixa renda na compra de botijões de gás de cozinha. Ao todo, foram 413 votos favoráveis e 15 contrários. Apenas a liderança do governo e o partido Novo orientaram contra a iniciativa.

A proposta, de autoria do deputado Carlos Zarattini (PT-SP), subscrita por toda a bancada petista e relatada por Christino Aureo (PP-RJ), cria um subsídio mensal pago pelo governo de 50% na compra de botijões por famílias inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), com renda familiar mensal per capita menor ou igual a meio salário mínimo, ou que tenham entre seus integrantes pessoa que receba o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Também ficou definido que o benefício será concedido preferencialmente às mulheres vítimas de violência doméstica que estejam sob o monitoramento de medidas protetivas de urgência.

O PL vem como uma resposta à postura do governo Bolsonaro, que nada faz em meio aos sucessivos aumentos no preço do gás de cozinha diante da crise econômica. O valor do gás subiu mais de 37% só este ano e o botijão já é vendido em muitas cidades por até R$ 110, o que tornou seu consumo inviável para milhões de brasileiros.

Essa situação faz com que muitos tenham que recorrer à lenha ou ao álcool para cozinhar. Na última segunda-feira (27), o falecimento da desempregada Geisa Stefanini chocou o país. Ela teve 90% do corpo queimando em 2 de setembro, quando cozinhava utilizando álcool. Seu caso foi lembrado pelos deputados durante a votação da proposta na Câmara.

“Geisa teve 50% do corpo queimado ao cozinhar com álcool, e veio a falecer. Essa é a realidade do nosso país. A realidade que o presidente da Petrobras, ao ser perguntado sobre aumento do gás de cozinha, dá risada. Essa é a realidade do país que não tem governo. Para que o parlamento tenha que discutir uma questão como essa é porque não há governo”, disse Leo de Brito (PT-AC).

A proposta aprovada prevê que o subsídio seja financiado com a arrecadação da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) cobrada cobre os combustíveis, com royalties do petróleo e com parte da receita da venda de volumes de petróleo do pré-sal que pertencem à União.

“Meu projeto prevê que parte da arrecadação do governo com venda de derivados de petróleo, convertida em royalties pela exploração das jazidas e em tributos como Cide-Combustíveis, seja revertida para financiar desconto na compra de botijão de gás para famílias de baixa renda. Mas é importante dizer que esse projeto do vale-gás é um paliativo. O que precisamos é alterar a política de preços da Petrobras. Sem isso vamos seguir vendo esse cenário caótico. Gasolina a quase 7 reais e o gás de cozinha acima de 100 reais”, explicou Zarattini, autor do projeto.

Publicidade

O subsídio será concedido através de um crédito pecuniário, por meio de cartão eletrônico ou meio equivalente, destinado exclusivamente à aquisição de gás de cozinha de revendedores autorizados. O valor do crédito será atualizado anualmente pela inflação (IGP-M). Cerca de 23,5 milhões de famílias devem ser beneficiadas.

O PL seguirá agora para apreciação do Senado e, se aprovado na outra casa legislativa, irá para sanção do presidente Jair Bolsonaro.

Publicidade

Notícias relacionadas

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR