Fórumcast, o podcast da Fórum
27 de agosto de 2019, 07h25

Caminhoneiros ameaçam nova greve e colocam mais pressão no governo Bolsonaro

Principal impasse da categoria com o governo e setor privado é a definição da nova tabela de fretes, que terá julgamento no STF no dia 4 de setembro

Paralisação dos caminhoneiros na Rodovia Presidente Dutra, no Rio de Janeiro, em 2018. Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Sem acordo sobre a tabela de fretes, caminhoneiros ameaçam nova greve caso o impasse com o governo e o setor privado não seja solucionado, pressionando ainda mais o já fragilizado governo de Jair Bolsonaro (PSL). Líderes da categoria afirmaram, segundo matéria desta terça-feira (27) do Painel, que vão esperar o julgamento da ação no Supremo Tribunal Federal (STF) que discutirá a constitucionalidade da tabela, no dia 4 de setembro.

A definição sobre a tabela de fretes é o principal problema que a categoria discute atualmente com o governo, já que a anterior, publicada em julho, foi suspensa. Caso haja vitória em setembro, líderes do setor disseram que terão mais força para retomar as demais discussões.

O impasse se arrasta desde o dia 24 de julho, quando foram convocadas reuniões pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes, com caminhoneiros de todos os setores, autônomos e sindicalistas. De acordo com os caminhoneiros, em entrevista ao Brasil de Fato, a categoria apresentou propostas para a fixação de preço mínimo para a tabela. Porém, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a Associação do Transporte Rodoviário do Brasil (ATR Brasil), que representa transportadoras, e a Confederação Nacional da Indústria (CNI) se recusam a negociar o valor e pedem para que a tabela não seja vinculativa, ou seja, obrigatória, mas apenas uma referência para a negociação com o transportador autônomo.

A tabela de frete foi uma concessão do governo Michel Temer (MDB) aos caminhoneiros, quando estes estavam em greve, em maio de 2018. A medida prevê o pagamento de multa para os contratantes que desrespeitarem o preço estabelecido no documento.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum