Casal acusado de racismo no Leblon diz que não abordou rapaz “em razão da cor da pele”

Já o instrutor de surf afirmou em seu depoimento acreditar que o fato só tenha acontecido por ele ser negro

O casal Mariana Spinelli e Tomás Oliveira, acusado de racismo e calúnia por ter interpelado um jovem negro na porta do Shopping Leblon, na Zona Sul do Rio, no último sábado (12), prestou depoimento nesta quinta-feira (17) à delegada Natacha Alves de Oliveira, titular da 14ª DP (Leblon). O casal declarou que não abordou Matheus “em razão da cor da pele” do jovem e disse que teriam o mesmo comportamento caso se tratasse de uma pessoa branca.

Já o instrutor de surf Matheus Ribeiro afirmou em seu depoimento acreditar que o fato só tenha acontecido por ele ser negro. De acordo com ele, não ocorreram ofensas expressas de caráter racial, mas disse ter se sentido triste, indignado e com raiva porque Mariana e Tomás já chegaram o “acusando” pelo furto e, em momento algum, disseram que tinham acabado de ser vítimas de um crime.

De acordo com o depoimento, Mariana comprou a bicicleta para auxiliá-la no deslocamento de casa para o trabalho, pelo valor de R$ 8.115, parcelados em 12 vezes, no dia 7, fazendo “um grande esforço financeiro”. Ela disse que chegou ao shopping, acompanhada do namorado, e prendeu o veículo com um cadeado no bicicletário na porta do estabelecimento.

Cerca de 30 minutos depois, ao deixar o shopping, Mariana diz não ter mais visto sua bicicleta. Em desespero, ela olhou para o lado e viu uma bicicleta preta igual a sua, com cadeado de ferro preto com detalhe cinza. Tomás foi até Matheus, que estava com o equipamento, e pediu para testar a chave de Mariana em seu cadeado, não tendo tido “sucesso”.

“Lorão”

Igor Martins Pinheiro, de 22 anos, foi preso pela Polícia Civil como autor do roubo da bicicleta elétrica. Ele foi reconhecido por um segurança do Shopping Leblon que prestou depoimento na delegacia, de acordo com a polícia.

O suspeito é branco e conhecido como “Lorão”. Ele tem 28 passagens na polícia e já foi preso sete vezes por outros furtos. Com ele, foi apreendida a bermuda que ele utilizava na hora do crime.

Demissões

A papelaria Papel Craft anunciou nas redes sociais que decidiu demitir o designer Tomás Oliveira, homem branco que acusou falsamente o jovem negro de roubo de bicicleta. No mesmo dia, a escola de dança Espaço Vibe, localizada no bairro de Ipanema, no Rio de Janeiro, anunciou que também demitiu a professora envolvida no caso

Relembre o caso

O instrutor de surfe Matheus Ribeiro aguardava a namorada em frente ao Shopping Leblon, montado em sua bicicleta elétrica, quando foi abordado por Tomás e Mariana, também branca. O jovem então foi acusado pelo casal de ter roubado a bike.

Diante do absurdo da cena, Matheus conta que nos primeiros momentos ficou sem reação, mas em seguida teve de provar que a bicicleta era sua.

Leia também:

Polícia prende “Lorão”, suspeito do roubo da bicicleta do caso de racismo no Leblon

Namorada do caso de racismo no Leblon também é demitida de escola de dança

Empresa demite funcionário branco que acusou jovem negro de roubo de bicicleta no Leblon

Homem negro pode ter bike elétrica? Para duas pessoas brancas do Leblon, não; veja vídeo

“Fui tentar mostrar pros dois que a bicicleta é minha, com fotos antigas com ela, chave, o que foi possível naquele momento de segundo. Porém eu só consegui provar que a bicicleta é minha, quando sem minha autorização, o lindo rapaz pega o cadeado da minha bicicleta e tenta abrir”, desabafou Matheus em publicação nas redes.

Um boletim de ocorrência foi registrado por ele na segunda-feira (14).

Com informações do Globo

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR