Fórumcast, o podcast da Fórum
09 de setembro de 2019, 09h48

Certidão de óbito de Zuzu e Stuart “é mais uma conquista nessa longa e triste história”, diz Hildegard Angel

"Com estes documentos, poderemos contestar informações inverídicas que volta e meia são divulgadas na imprensa, e agora até em livro supostamente 'de História'", contou a filha de Zuzu Angel

A estilista Zuzu Angel. Foto: Instituto Zuzu Angel

Depois de anos lutando para que a certidão de sua mãe, a estilista Zuzu Angel, e de seu irmão, Stuart Angel, fossem retificadas, Hildegard finalmente recebeu os papéis alterados. Dessa vez, com as informações corretas. Quase 50 anos depois da morte dos dois, em crime de autoria da ditadura na década de 1970, a jornalista agora tem o reconhecimento do país de que seus familiares tiveram “morte não natural, violenta, causada pelo Estado brasileiro”.

Se você curte o jornalismo da Fórum clique aqui. Em breve, você terá novidades que vão te colocar numa rede em que ninguém solta a mão de ninguém

“Agora recebemos os dois documentos. É mais uma página, uma conquista importante, nessa longa e triste história. Doravante, com estes documentos, poderemos contestar informações inverídicas que volta e meia são divulgadas na imprensa, e agora até em livro supostamente ‘de História'”, contou a jornalista à Fórum.

Hildegard ainda compartilhou que ambas as certidões de óbito já existiam. No entanto, com informações falsas – de acordo com ela, tratava-se de uma tentativa clara do Estado de apagar os danos reais da ditadura. “Stuart morreu em 1971. Mas, para o estado, era um desaparecido”, contou. Stuart Angel era militante do Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8) e foi preso no Rio de Janeiro. Depois, o irmão de Hildegard foi levado para a Base Aérea do Galeão, onde foi brutalmente torturado e não resistiu, vindo a falecer em 14 de maio de 1971, cinco anos antes de sua mãe.

A primeira vez que Hildegard teve chance de recorrer a uma certidão de óbito de seus familiares veio após a Comissão de Mortos e Desaparecidos ter reconhecido oficialmente a morte de Stuart, em 1998. Na época, no entanto, a informação ainda era que Stuart desapareceu no regime. “Só a partir da conquista de Lígia Jobim, em 2018, que conseguiu o reconhecimento oficial, na certidão de óbito, de que seu pai, o embaixador José Jobim, foi morto pela ditadura, abriu-se a possibilidade de ter uma certidão de óbito como Stuart merecia ter”, completou a jornalista.

Assim, a família fez a solicitação. Durante o processo, ficaram sabendo que Zuzu também poderia ser retificada, fazendo constar a causa mortis correta, isto é, morte provocada pelo Estado, e não “acidente automobilístico”, como foi acusado na época.

Zuzu morreu em um acidente de carro planejado pela ditadura em 1976, na saída do túnel Dois Irmãos, em São Conrado (RJ). Segundo depoimentos, ela teria sido jogada para fora da pista por um carro pilotado por agentes da repressão.

Confira a certidão retificadas divulgadas à Fórum por Hildegard:


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum