Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
04 de setembro de 2019, 15h38

Champinha seria líder de rebelião em centro de saúde onde cumpre pena há 12 anos

O governador de SP, João Doria (PSDB), usou a situação como pretexto para defender o fim da maioridade penal

Governador João Doria (PSDB). (Foto: Reprodução)

Roberto Aparecido Alves Cardoso, mais conhecido como “Champinha”, responsável pelo sequestro e assassinato de um casal de namorados em 2003, teria liderado uma rebelião na Unidade Experimental de Saúde Estadual (UES) onde cumpre pena, em São Paulo, na madrugada desta quarta-feira (4). O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), usou a situação como pretexto para defender o fim da maioridade penal, já que Champinha, na época em que foi preso, tinha 16 anos.

“Parabéns para a Polícia de SP que controlou com êxito uma rebelião liderada pelo assassino ‘Champinha’, em uma Unidade Experimental de Saúde Estadual. Defendo o fim da maioridade penal para crimes hediondos e que criminosos como ele sejam enviados para cadeia, sem qualquer benefício”, escreveu o governador em sua conta no Twitter, nesta quarta-feira (4).

Champinha ficou conhecido pelo sequestro e morte de Liana Friedenbach, na época com 16 anos, e Felipe Caffé, que tinha 19. Em 2003, os estudantes haviam decidido passar um final de semana acampando em um sítio abandonado em Embu-Guaçu, a 40 km de São Paulo. Abordados por um grupo, entre eles o Champinha, os dois foram executados brutalmente. Liana foi violentada por quatro homens e esfaqueada, enquanto Felipe foi baleado na nuca.

Inicialmente, Champinha foi encaminhado para a antiga Febem, hoje Fundação Casa. Ao completar 21 anos, sua custódia passou a ser responsabilidade do estado de São Paulo, por ter sido atribuído a ele transtornos mentais. Dessa forma, o jovem foi transferido a uma Unidade Experimental de Saúde Estadual, onde permanece até hoje.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum