Entrevista exclusiva com Lula
17 de setembro de 2019, 10h33

Com aval de ruralistas na Câmara, governo Bolsonaro libera mais 63 agrotóxicos e número chega a 325

Uma das substâncias liberadas é o dinotefuram, considerado medianamente tóxico pela Anvisa. Seu uso é proibido na União Europeia e passa por reavaliação nos EUA

Reprodução

O Ministério da Agricultura, de Tereza Cristina, liberou o registro de mais 63 agrotóxicos nesta terça-feira (17). Com as novas liberações, o total de agrotóxicos registrados em 2019 chega a 325, superando o volume do mesmo período de 2018, quando houve 309. Facilidade em aprovar tais substâncias vem da subcomissão responsável por debater os registros e liberações na Câmara, formada quase totalmente por deputados da bancada ruralista.

Se você curte o jornalismo da Fórum clique aqui. Em breve, você terá novidades que vão te colocar numa rede em que ninguém solta a mão de ninguém

Dos onze parlamentares que integram o grupo, nove são da frente agropecuária. Um deles é presidente do grupo, deputado José Mário Schreiner (DEM-GO), que afirmou que a subcomissão tem a responsabilidade de promover “uma discussão equilibrada” sobre o tema. De acordo com a coluna de Mônica Bergamo, publicada nesta segunda-feira (16) na Folha de S.Paulo, deputados da oposição avaliam que a predominância de ruralistas gera pressão por maior liberação de agrotóxicos.

Entre as novidades estão os princípios ativos fluopiram, que é usado para matar fungos, e o dinotefuram, um inseticida. Este último é utilizado no controle de insetos sugadores, como percevejos. Ele poderá ser aplicado em 16 atividades, como arroz, aveia, batata, café, cana-de-açúcar e centeio.

Ainda, o dinotefuram é considerado medianamente tóxico pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O pesticida não é autorizado para uso na União Europeia e está em reavaliação nos Estados Unidos, onde é utilizado desde 1985.

O ritmo de liberação deste ano segue sendo o mais alto da série histórica do ministério, iniciada em 2005. “O debate ideológico prejudica a chegada de produtos mais modernos e menos agressivos”, afirmou Schreiner, que diz não gostar da palavra “agrotóxicos”. Ele se refere a esses produtos como “remédio para plantas”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum