terça-feira, 22 set 2020
Publicidade

Concurso para professor de Filosofia do IFPR adota olavismo em questão sobre Escola de Frankfurt

Um concurso público realizado para a vaga de professor de Filosofia no Instituto Federal do Paraná (IFPR) chamou a atenção de alguns concorrentes por trazer um “desvio ideológico” e se embasar em teses de Olavo de Carvalho que ligam a Escola de Frankfurt com uma suposta revolução cultural. A instituição foi a mesma que proibiu uma atividade com o coordenador do MTST Guilherme Boulos.

A prova, que pode ser encontrada no site da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento Unicentro, causou polêmica por relacionar a Escola de Frankfurt com a criação de uma “plataforma ideológica e teórica para uma revolução cultural” e uma “plataforma de infiltração nos canais institucionais, particularmente a educação”. As conclusões são tiradas a partir da frase do teórico Max Horkheimer de que é preciso “libertar os seres humanos das circunstâncias que os escravizam”.

A tese acompanha a visão do astrólogo-filósofo Olavo de Carvalho e se embasa em um artigo publicado no site do Instituto Mises que define a Escola de Frankfurt como “ferramenta de controle”. O texto é assinado por um empresário suíço seguidor da chamada Escola Austríaca, de Ludwig von Mises, chamado Claudio Grass.

Reprodução

No edital que trazia o conteúdo programático da prova, a menção à Escola de Frankfurt era a seguinte: “Escola de Frankfurt e a Teoria Crítica: dialética do esclarecimento e Indústria Cultural”, sem qualquer referência ao astrólogo tido como guru de Jair Bolsonaro, nem à teoria da Escola Austríca. Dessa maneira, as bases do edital não previam a aplicação da visão ideologizada sobre os teóricos da Teoria Crítica.

Ao comparar o texto da questão com o seguinte trecho do artigo publicado no site se nota a origem da questão: “De acordo com Horkheimer, a teoria crítica tinha o objetivo de ‘libertar os seres humanos das circunstâncias que os escravizam’. Assim sendo, seu principal objetivo era criar uma plataforma teórica e ideológica para uma revolução cultural […] E, para se fazer essa revolução cultural, era imprescindível se infiltrar nos canais institucionais, particularmente a educação”.

Confira a questão:

29) Max Horkheimer, um filósofo marxista, foi um dos pais fundadores da Escola de Frankfurt, a qual incorporava toda a moderna Teoria Crítica da Sociedade e que, em grande escala, se caracterizava como neomarxista. De acordo com Horkheimer, a teoria crítica tinha o objetivo de “libertar os seres humanos das circunstâncias que os escravizam”. Assim sendo, seus principais objetivos eram:

Analise as assertivas e assinale a alternativa que aponta as corretas:

I – criar uma plataforma teórica para uma revolução cultural.
II – criar uma plataforma ideológica para uma revolução cultural.
III – criar uma plataforma ideológica imediatista e intelectual.
IV – criar uma plataforma de infiltração nos canais institucionais, particularmente a educação.

(A) Apenas as afirmativas I, III e IV.
(B) Apenas as afirmativas I, II e IV.
(C) Apenas as afirmativas I e IV.
(D) Apenas as afirmativas II, III e IV.
(E) I, II, III e IV.

O gabarito aponta a alternativa B como correta.

Lucas Rocha
Lucas Rocha
Jornalista da Sucursal do Rio de Janeiro da Fórum.