Conta de luz fica mais cara em dezembro, decide Aneel

Alegando queda nos reservatórios de hidrelétricas, agência impôs bandeira tarifária mais alta; veja quanto você vai pagar a mais

A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica decidiu, em reunião extraordinária realizada nesta segunda-feira (30), aplicar a bandeira tarifária mais alta nas contas de luz de dezembro. Será a bandeira vermelha patamar 2. Com isso, os consumidores vão pagar R$ 6,243 para cada 100 quilowatts-hora. Isso bem no mês em que tradicionalmente há um aumento de consumo devido às luzinhas de Natal.

A justificativa da agência para impor esse aumento nas contas foi a queda no nível de armazenamento nos reservatórios das hidrelétricas e a retomada do consumo de energia.

O sistema de bandeiras tarifárias foi adotado para poder repassar aos consumidores os custos extras com geração de energia quando eles subirem.

Quando a produção nas usinas hidrelétricas – cuja energia é mais barata – está favorável, é acionada a bandeira verde, sem acréscimos na tarifa. Quando há fatores que obrigam a usar energia de outras fontes, a Aneel aplica uma metodologia para determinar qual faixa será adotada. As gradações são as bandeiras amarela, vermelha 1 ou vermelha 2.

E queda nos reservatórios ou aumento de consumo, por exemplo, são exatamente duas das condições que podem acionar as outras bandeiras. No entanto, em maio deste ano, a agência havia decidido manter a bandeira verde acionada até 31 de dezembro deste ano, devido à pandemia do coronavírus. Mas alegou que as condições ficaram desfavoráveis e, por isso, convocou a reunião extraordinária desta segunda-feira.

Leia também

Avatar de Fabíola Salani

Fabíola Salani

Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR