O que o brasileiro pensa?
18 de novembro de 2019, 09h19

Corinthians se solidariza com Dentinho e Taison: “Acima de qualquer rivalidade, esta luta é contra o racismo”

Os dois jogadores brasileiros do Shakhtar Donetsk foram vítimas de racismo no Campeonato Ucraniano, durante clássico contra o Dínamo de Kiev

Reprodução/Instagram

Em publicação nas redes sociais neste domingo (17), o Corinthians se solidarizou com os jogadores Taison e Dentinho, que atuam no Shakhtar Donetsk e foram vítimas de racismo durante clássico contra o Dínamo de Kiev, no Campeonato Ucraniano. “Acima de qualquer rivalidade, esta luta é contra o racismo”, escreveu o perfil do clube nas redes sociais, compartilhando uma foto dos dois jogadores com os dizeres “não ao racismo”.

O caso aconteceu no domingo (10). Torcedores do Dínamo fizeram sons imitando macacos quando os brasileiros pegavam na bola, ofensa que fez ambos os jogadores deixarem o gramado chorando. No entanto, em um dos lances, no segundo tempo do jogo, o atacante Taison se posicionou contra os ataques, mostrando o dedo do meio e chutando a bola em direção da torcida. O juiz então paralisou a partida e os dois times saíram de campo.

Taison e Dentinho foram amparados pelos demais jogadores do Shakhtar, enquanto o time do Dínamo se dirigiu para a arquibancada para pedir que os torcedores parassem com as ofensas. O jogo foi retomado, no entanto, Taison foi expulso pelo gesto. O Shakhtar venceu o jogo por 1 a 0.

Em publicação nas redes sociais, Taison desabafou sobre o ocorrido citando trecho da música “Jesus chorou”, do Racionais MC’s: “Amo minha raça, luto pela cor, o que quer que eu faça é por nós, por amor”. No texto, o jogador também agradeceu pelas mensagens de apoio e ressaltou a firmeza que deve ser adotada no combate ao racismo. “Jamais irei me calar diante de um ato tão desumano e desprezível”, escreveu, citando em seguida uma famosa frase de Angela Davis. “Em uma sociedade racista, não basta não ser racista, precisamos ser antirracistas”, finaliza.

Dentinho também se manifestou nas redes sociais, qualificou o ocorrido como o pior dia de sua vida.  “Durante o jogo, por três vezes, a torcida adversária fez sons que lembravam macacos, sendo duas vezes direcionadas a mim. Essas cenas não saem da minha cabeça. Não consegui dormir e já chorei muito. Sabe o que eu senti naquele momento? Revolta, tristeza e nojo de saber que ainda existem pessoas tão preconceituosas nos dias de hoje. Não posso me calar diante de algo tão grave”, escreveu.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum