Ator Paulo Gustavo, de 42 anos, morre em decorrência da Covid-19

Ator Paulo Gustavo, que obteve a melhor bilheteria do cinema nacional com o filme Minha Mãe é uma Peça 3, estava internado desde 13 de março no hospital Copa Star, no Rio de Janeiro

O ator Paulo Gustavo, um dos maiores comediantes do Brasil, morreu nesta terça-feira (4), aos 42 anos, em decorrência da Covid-19. Ele estava internado desde o dia 13 de março no hospital Copa Star, no Rio de Janeiro.

“Às 21h12 desta terça-feira, 04/05, lamentavelmente o paciente Paulo Gustavo Monteiro faleceu, vítima da covid-19 e suas complicações. Em todos os momentos de sua internação, tanto o paciente quanto os seus familiares e amigos próximos tiveram condutas irretocáveis, transmitindo confiança na equipe médica e nos demais profissionais que participaram de seu tratamento”, diz nota divulgada por sua equipe.

O ator chegou a apresentar melhoras significativas no último domingo (2), quando chegou a ter redução de sedativos e bloqueadores, e interagiu com os médicos e com o seu marido, Thales Bretas. Porém, no decorrer da noite, Paulo Gustavo teve uma piora significativa do quadro sofrendo uma embolia pulmonar.

De acordo com o boletim médico realizado, “depois de alguma melhora, Paulo Gustavo subitamente piorou no dia de ontem. Ontem à tarde (domingo), após redução dos sedativos e do bloqueador neuromuscular, o paciente acordou e interagiu bem com a equipe profissional e com o seu marido”.

Na sequência, o boletim informa que “à noite, subitamente, houve piora acentuada do nível de consciência e dos sinais vitais, quando novos exames demonstraram ter havido embolia gasosa disseminada, incluindo o sistema nervosos central, em decorrência de uma fístula bronquíolo-venosa. Infelizmente, a situação clínica atual é instável e de extrema gravidade”.

Melhora das funções pulmonares

Durante o tratamento, Paulo Gustavo chegou a apresentar melhoras das funções pulmonares. Segundo os médicos, as funções pulmonares do artista estavam sendo retomadas e, à época, não surgiram novas complicações. Ele ainda precisa, no entanto, fazer o uso do ECMO (terapia de oxigenação por membrana extracorpórea) e de ventilação mecânica, já que sua condição ainda é grave.

“Felizmente, não surgiram novas complicações nos últimos quatro dias. O quadro clínico do paciente, embora ainda preocupante, é de estabilidade, com alguns sinais mais evidentes de recuperação das funções pulmonares. Também verificamos boa responsividade aos pequenos estímulos. Ainda há necessidade de mantermos a ECMO, assim como a ventilação mecânica”, revelou o boletim médico à época.

Pelas redes sociais, o marido do ator, o dermatologista Thales Bretas disse que “está vivendo dias difíceis” e pede desculpas aos amigos e pacientes por estar recluso.

“Espero que entendam e continuem torcendo e rezando fervorosamente pela recuperação dele e de todos que sofrem com essa infecção tão sorrateira’, escreveu.

Paulo Gustavo e Bretas têm dois filhos, Romeu e Gael, de 1 ano e meio, gerados por barriga de aluguel.

Um dos principais comediantes do século XXI

Assumidamente gay, Paulo Gustavo é protagonista da maior bilheteria do cinema nacional com o filme Minha Mãe é uma Peça 3, que bateu a marca histórica de R$ 137,9 milhões em janeiro de 2020 e desbancou a cinebiografia do bispo Edir Macedo, Nada a Perder, até então a maior arrecadação do cinema nacional, com R$ 120 milhões de renda durante seu período em cartaz.

O ator Paulo Gustavo, que faleceu nesta terça-feira (4), devido a complicações causadas pela Covid-19, e ganhou destaque no teatro quando, em 2004, integrou o elenco da peça Surto com a personagem Dona Hermínia.

Após deixar o Surto, o ator apresentou o espetáculo Minha Mãe é Uma Peça que, segundo ator era inspirado na sua mãe e que se tornou um grande sucesso dos palcos. Posteriormente, a peça foi adaptada para o cinema onde se tornou a maior bilheteria da história do cinema brasileira.

Além do sucesso no cinema e no teatro, Paulo Gustavo também se tornou um fenômeno na televisão com o programa 220 Volts que, além de ter um quadro para a Dona Hermínia, o ator apresentou a Senhora dos Absurdos, onde satirizava uma socialite fascista. Posteriormente, compôs o elenco de Vai Que Cola, onde interpretava o golpista Valdomiro e que rapidamente se tornou um sucesso.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.