Fórumcast #20
25 de julho de 2017, 12h21

Criança negra adotada é tratada como pedinte em loja do Starbucks

Segundo Tatiane, a filha ainda está assustada com o episódio e se pergunta o tempo todo “porque fizeram isso com ela”. “Estamos tentando distraí-la, mas ela está com dificuldades para dormir e comer”, disse a mãe.

Segundo Tatiane, a filha ainda está assustada com o episódio e se pergunta o tempo todo “porque fizeram isso com ela”. “Estamos tentando distraí-la, mas ela está com dificuldades para dormir e comer”, disse a mãe.

Da Redação*

A filha adotada do casal Jorge e Tatiane Timi, que é negra, foi confundida com uma pedinte por um funcionário em uma loja do Starbucks do bairro Jardins (foto), em São Paulo, no último dia 15.

A situação teria acontecido depois que a menina saiu do banheiro. Um dos seguranças teria pedido que ela se retirasse da loja. “Nossa filha nasceu do nosso coração e você não imagina a dor que sentimos com esta atitude de racismo e preconceito. O segurança pegou no braço da nossa filha e disse que ela tinha que sair e que o lugar não admite pedintes. Imagine como nossa pequena ficou. Em choque, não conseguia se mexer”, disse Tatiane, em entrevista à rádio Banda B, de Curitiba.

Os pais da menina, que moram no Paraná e passavam um fim de semana na capital paulista, se revoltaram e chamaram a polícia para registrar ocorrência no local. Além disso, eles acionaram advogados para entrar com ação criminal por racismo e injúria racial contra a empresa.

Veja também:  Sargento da PM, tio de Michelle Bolsonaro foi preso em maio por ligação com milícia

Pelo Facebook, o pai, Jorge Timi, agradeceu à Polícia Militar pelo atendimento. “Não podemos tolerar a discriminação racial em nosso país”, escreveu na publicação.

Segundo Tatiane, a filha ainda está assustada com o episódio e se pergunta o tempo todo “porque fizeram isso com ela”. “Estamos tentando distraí-la, mas ela está com dificuldades para dormir e comer”, disse a mãe.

O Starbucks entrou em contato com a família e lamentou o “incidente”. “Incidente é quando você queima a língua no café quente. Isso é racismo. Vamos até as últimas consequências. E para que isso não se repita que estamos divulgando o caso agora”, ressaltou Tatiane.

A empresa se manifestou dizendo que a acusação é séria e será investigada. “Se existe, por parte da família, o sentimento de que a experiência não foi agradável, sem dúvida alguma nós não atingimos o que era esperado e, por isso, estamos realizando uma apuração completa do ocorrido”, informou, em nota. A Starbucks reiterou compromisso com a “diversidade e inclusão” e disse não tolerar “qualquer desvio desses valores e princípios”.

Foto: Starbucks/Divulgação


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum