Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
16 de agosto de 2019, 14h31

Cronologia do caso Itaipu: o que aconteceu até aqui e como Bolsonaro foi envolvido no escândalo

Acordo entre países envolve família Bolsonaro, suplente do Major Olímpio e levou ao pedido de impeachment do presidente paraguaio

Mario Abdo, presidente do Paraguai, e Bolsonaro (Foto: Allan Santos/PR)

Desde o fim de julho, o Paraguai enfrenta uma crise política que quase levou ao impeachment do presidente Mario Abdo Benítez. O estopim da polêmica se deu quando foi revelado um acordo secreto com o Brasil para a renegociação dos termos de distribuição de energia da usina hidrelétrica binacional de Itaipu, o que geraria um prejuízo de US$ 200 milhões ao governo Paraguaio.

Mensagens divulgadas entre autoridades em uma espécie de “Vaza Jato” paraguaio contribuíram com a renúncia do ministro das Relações Exteriores, Luis Castiglioni, e três outros altos funcionários, incluindo o diretor paraguaio de Itaipu. “Alta traição” e “extorsão financeira” foram as frases utilizadas por Pedro Ferreira para definir o texto secreto assinado pelos governos de Abdo Benítez e Jair Bolsonaro.

A Fórum elaborou uma cronologia dos acontecimentos para que você entenda a origem e os desdobramentos dessa crise.

27 de março – Início das negociações

Tudo começou no dia 27 de março deste ano, quando a embaixada do Brasil no Paraguai propôs uma reunião para o dia 11 de abril buscando “estabelecer um cronograma da energia de Itaipu a ser contratada em 2019”. A partir de documentos divulgados pela imprensa paraguaia, ficou evidente que o governo do Brasil tomou frente em todo o processo de negociação do acordo bilateral de Itaipu, escolhendo as datas, os itens a serem negociados e redigindo toda a proposta do acordo.
Em 4 de abril, outro documento oficial mostra que o Brasil já havia declarado à chancelaria paraguaia os benefícios que esperava ter com o acordo bilateral. Em resumo, o texto coloca que a intenção do Brasil era “superar a atual divergência entre a Ande e Eletrobrás sobre a contratação de energia da usina de Itaipu”, completando que, na reunião do dia 11, o governo brasileiro “pretende tratar não apenas de estabelecer o cronograma de energia de Itaipu a ser contratado durante o ano em curso, mas também abrir discussões sobre outros pontos”.
11 de abril – Primeira reunião no Paraguai
Pelo lado brasileiro, participaram desta reunião o secretário de Negociações Bilaterais e Regionais das Américas, o embaixador Pedro Miguel da Costa e Silva, a diretora do Departamento de América do Sul e sua assistente e o chefe do setor de Energia da embaixada brasileira. O Paraguai apresentou um vice-chanceler, funcionários diplomáticos e um ex-chefe da hidrelétrica de Yacyretá há muito tempo fora da esfera pública. Nenhum técnico da Ande participou da reunião.
Pelo acordo discutido entre Assunção e Brasília, o Paraguai aumentaria seus gastos em mais de US$ 200 milhões, porque o novo trato obrigava o país vizinho a comprar um volume maior da energia produzida pela usina, o que geraria aumento na conta de luz para os consumidores paraguaios.
24 de maio – Ata é assinada em Brasília

A ata foi assinada em dia 24 de maio, em Brasília, por autoridades brasileiras e paraguaias. O presidente Mario Abdo Benítez sabia dos termos prejudiciais do acordo, e essa teria sido uma das razões pelas quais o documento não foi tornado público até o final de julho.

Reportagem do jornal ABC, do Paraguai, revelou que o advogado José Rodríguez González, que alegava ser assessor jurídico informal do vice-presidente Hugo Velázquez, intermediou a exclusão de uma das cláusulas da ata para beneficiar a a empresa brasileira Léros Comercializadora, que seria ligada à “família presidencial”, portanto, à família Bolsonaro.

O advogado teria escrito em mensagem que o item 6 não deveria ser incluído “porque em conversas com o mais alto comando do país vizinho, concluiu-se que não é o mais favorável, a fim de proteger o manuseio prudencial da informação para que a operação em andamento seja efetivada com o maior sucesso”. “Eles vêm em nome da família presidencial do país vizinho”, escreveu o advogado Rodríguez González.

Presidente do Paraguai comenta pressão de Bolsonaro

Ainda de acordo com as mensagens divulgadas pela imprensa paraguaia, o presidente Benítez chegou a relatar uma pressão do governo brasileiro para assinar o documento e pedia ao então presidente da Ande, Pedro Ferreira, que ficasse em silêncio sobre o tema.

Nessas mensagens, o presidente paraguaio confessa que o país vive momentos difíceis e que o Brasil congelou relações “por não cumprirmos o que firmamos”. Em seguida, Pedro Ferreira responde que o que pediram foi “18% de crescimento anual” e que seria impossível, “seriamos queimados publicamente”, completa.

As mensagens não deixam claro o quanto Ferreira esteve envolvido nas conversas que levaram aos novos termos do acordo, mas de acordo com o jornal paraguaio ABC Color, somente no dia 4 de junho o documento assinado na reunião em Brasília chegou ao conhecimento de Pedro Ferreira.

Final de julho – Renúncias e anulação do acordo

Depois que o documento do acordo veio a público, o presidente da Ande renunciou, alegando não concordar com os termos assinados.

O acordo então foi anulado e, em seguida, quatro funcionários do governo renunciaram: o chanceler paraguaio, Luis Castiglioni; Alcides Jiménez, que havia assumido o cargo de chefe da companhia estatal de energia Ande depois da saída de Pedro Ferreira; Hugo Saguier, embaixador do Paraguai no Brasil; e José Alderete, diretor paraguaio de Itaipu. A crise também fez com que a ameaça de um pedido de impeachment de Abdo Benítez ganhasse força.

Investigações em curso: suplente do Major Olímpio

Em uma das conversas entre Pedro Ferreira e o advogado José Rodríguez González, é possível identificar o envio de uma carta de intenções, em nome da Léros ao empresário Alexandre Giordano, suplente do senador Major Olímpio (PSL-SP).

Giordano de fato viajou ao menos três vezes ao Paraguai neste ano com executivos da empresa brasileira Léros. Segundo o ex-presidente da Ande Pedro Ferreira, a família Bolsonaro foi citada.  Giordano negou representar a Léros. No entanto, na carta de intenções é possível confirmar que ela foi recepcionada pela Ande, em 12 de julho deste ano, e logo enviada por Nicolás Kac Pinto a Alexandre Luiz Giordano. O endereço do destinatário, local onde estão as empresas de Giordano, também é sede do partido de Bolsonaro em São Paulo.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum