Culto presencial em igreja de Malafaia pede jejum por decisão do STF: ‘Satanás quer impedir que templos abram’

Supremo decide nesta quarta se mantém a abertura nacional de igrejas, conforme decisão monocrática de Nunes Marques

O culto “Manhã com Deus”, realizado nesta terça-feira (6) na igreja neopentecostal Assembleia de Deus Vitória em Cristo (Advec), do pastor bolsonarista Silas Malafaia, contou com um dos pastores pedindo que fiéis realizem um jejum pela decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a presença de público em cultos religiosos durante a pandemia do coronavírus.

O plenário da Corte decide nesta quarta-feira (7) sobre o tema. O Supremo atualmente enfrenta um impasse entre a decisão monocrática do ministro Kassio Nunes Marques, proferida na Páscoa, e contrapontos de Gilmar Mendes.

Apesar de a Advec “estar inaugurando muitas igrejas durante a pandemia”, o pastor afirmou que “Satanás quer impedir que as igrejas abram”. Ele alertou para a possibilidade de que cultos como aquele deixem de acontecer “dependendo do que for decidido amanhã (hoje) pelo STF”.

A Covid-19 também foi citada por um dos pastores do culto “Manhã com Deus” durante a leitura da Bíblia. Ele recomendou aos fiéis que “exigissem” de Cristo a cura para doenças como ebola, câncer, zika e “inclusive a Covid”. A informação é do UOL.

Uma das ações no STF que pede abertura de templos foi protocolada pelo PSD, partido do deputado federal Cezinha de Madureira (SP), líder da bancada evangélica na Câmara. Segundo ele, há fiéis que “não tem dinheiro para pagar internet” e acompanhar aos cultos de forma virtual.

Lideranças e representantes de instituições católicas, evangélicas, judaicas e muçulmanas também afirmam que a proibição de presenciais trouxe impactos financeiros para as entidades religiosas. Há casos em que se calcula queda de mais da metade da receita global. A informação é do jornal O Globo.

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.

Você pode estar junto nesta luta.

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR