Fórum Educação
17 de junho de 2019, 15h33

Detidos na greve geral em São Paulo são liberados após audiência de custódia

Funcionários e alunos da USP terão de comparecer a cada três meses ao fórum para responder por incêndio a carro no qual negam participação

São Paulo, 14.jun.2019 - Véiculo queimado em protesto diante do Deic seria motivação para a detenção de manifestantes na greve geral (Gustavo Basso/Revista Fórum)

Os dez estudantes e funcionários da Universidade de São Paulo (USP) que haviam sido detidos na sexta-feira (14), durante manifestação vinculada à greve geral contra a reforma da previdência e os cortes na educação foram liberados neste final de semana após a audiência de custódia. Eles passaram a noite de sexta para sábado na carceragem do Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais).

Os nove homens e uma mulher que foram detidos por suposto envolvimento no incêndio de um carro no protesto realizado na zona oeste de São Paulo receberam liberdade provisória após se apresentarem à juíza Bruna Acosta Alvarez. Eles terão, no entanto, que comparecer trimestralmente ao fórum.

Segundo o advogado Pedro Paulo Sodré, responsável pela defesa de um dos detidos, o MP (Ministério Público) pediu a manutenção da prisão para três dos averiguados, “porém a juíza relaxou o flagrante em relação a algumas das imputações, e determinou liberdade provisória a todos”.

Na sexta-feira o delegado Fabiano Fonseca Barbeiro, da 2ª Delegacia de Polícia de Investigações sobre Crimes Patrimoniais de Intervenção Estratégica do Deic, acusou os dez por incêndio, dano qualificado, desacato e resistência à prisão, em associação criminosa.

“É um absurdo. Todos são acusados dos mesmos crimes, mas existe uma descrição mínima – e arbitrária – de quem teria feito o quê”, afirma Sodré, apontando que as únicas testemunhas são os policiais militares responsáveis pelas detenções, com exceção de um ambulante “levado como mera formalidade”.

Um carro foi queimado durante o protesto no entroncamento das avenidas Vital Brasil e Francisco Morato, o que teria motivado os policiais a perseguir manifestantes até mesmo dentro da USP. Uma das ativistas, aluna de Letras que preferiu não se identificar, chamou a atenção para detalhes, segundo ela, estranhos em relação ao incêndio.

“O carro não estava tentando furar o bloqueio e foi abandonado em uma ‘ilha’ no meio da avenida; depois de queimado, o condutor nem mesmo prestou queixa”, afirma. Os estudantes e funcionários negam participação no caso. Segundo a defesa, os envolvidos estavam encapuzados, o que não permitiria aos policiais a identificação, e as roupas não batem com imagens feitas do ocorrido.

Outros manifestantes denunciaram abuso de autoridade por parte dos PMs e que os detidos permaneceram horas sem comida ou acesso a banheiro no Deic.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum