Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
25 de janeiro de 2019, 18h01

“É uma omissão. Quase nada foi feito desde Mariana”, diz biólogo da região de Brumadinho

Ricardo Coelho relatou à Fórum como o rompimento de uma nova barragem da Vale vem em meio à omissão do poder público no monitoramento das dezenas de empreendimentos de mineração na área principalmente após a tragédia de Mariana há 3 anos

Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros

A omissão do poder público no sentido de monitorar, fiscalizar e fornecer informações sobre riscos pode ser um dos fatores que contribuíram para que, em um intervalo de pouco mais de 3 anos, cidades de Minas Gerais fossem cobertas por lama do rompimento de uma barragem de mineração. A opinião é de Ricardo Coelho, biólogo que estuda os reservatórios de Minas Gerais, mora e atua próximo ao complexo de barragens do qual faz parte a de Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, que rompeu nesta sexta-feira (25).

De administração da Vale, a mesma mineradora responsável pela barragem do Fundão, que inundou de lama a cidade de Mariana, há 3 anos, a barragem de Brumadinho pertence à Mina do Feijão, próxima a inúmeros povoados, muitos deles já evacuados. Equipes dos bombeiros e da Defesa Civil resgatam feridos e procuram por vítimas na região.

De acordo com Ricardo Coelho, a barragem que rompeu faz parte de uma mina em plena atividade e, pelo fato de não estar abandonada, a omissão do poder público na prevenção pode ter o papel relevante na tragédia. “Não se trata de uma mina abandonada. Estava em plena operação. Temos que aguardar, inclusive, a manifestação da empresa [Vale] sobre toda a base legal, quais os laudos de certificações dessas barragens etc. Agora, como especialista e também como habitante, porque moro na região, estou apreensivo com relação ao seguinte: depois da tragédia de Mariana, a sensação é de que pouca coisa foi feita para aumentar a segurança dessas barragens. Deveria haver uma comunicação. Se perguntar para mim quais são as barragens que tinham risco, eu não sei. Isso deveria ser público e notório. As autoridades deveriam divulgar isso amplamente para a sociedade, e não ficar retendo esse tipo de informação”, disse.

O biólogo revela ainda que em Minas Gerais há inúmeras outras barragens, muitas delas de administração da Vale, que apresentam riscos de rompimento e que nada é feito no campo preventivo e nem mesmo para alertar a população para se reduzir o risco de impactos. Ele usa como exemplo a barragem Casa da Pedra, que recorrentemente apresenta instabilidades dependendo do volume de chuvas. Bombeiros e estudiosos já alertaram para os riscos que um eventual rompimento traria, dado o fato de que a barragem fica próxima à cidade de Congonhas. Coelho alerta para o fato de que a barragem em questão é quatro vezes maior que a do Fundão, que provocou a tragédia de Mariana – considerada o maior desastre ambiental do Brasil – há pouco mais de três anos. “Rio acima você tem barragens muito maiores. Em Congonhas tem um reservatório da Casa da Pedra quatro vezes maior que a barragem de Fundão. E ele está do lado de Congonhas, uma cidade de 60 mil habitantes. Se você vai lá [em Congonhas], ninguém tem informações sobre a segurança da barragem. Esse eu considero o caso mais grave”, alertou.

Para Coelho, o trabalho de prevenção consiste, principalmente, na divulgação de informações sobre os riscos e no treinamento da população. Ele chama a atenção para o fato de que há, por exemplo, na região Sul de Belo Horizonte, três barragens abandonadas e um lago de extrema profundidade em situação de desbarrancamento. “É uma situação de risco, mas não há trabalho de informação”, pontuou.

“É muito cedo para dizer o que aconteceu, mas é mais um caso de rompimento de barragem e está ficando uma triste rotina no estado. Todo mundo sabe que o desastre de Mariana não teve as consequências que deveria ter tido de melhoria e controle do processo de impacto ambiental de mineradora no estado de Minas Gerais. Isso é público e notório. Uma série de aspectos no acompanhamento dessas tragédias, se for olhar, vai se descobrir falhas. Isso sinaliza fortemente para a omissão do Estado. Deveria ter feito uma série de coisas e não fez. Se fosse feito da maneira como deveria, não estaríamos falando hoje de mais um desastre”, completou o biólogo.

Expectativa é de grande número de vítimas 

À Fórum, Ricardo Coelho explicou ainda que o volume de lama que está se espalhando com o rompimento da barragem de Brumadinho é bem menor que o da barragem do Fundão, que destruiu a cidade de Mariana. O biólogo chama a atenção, no entanto, para o fato de que a região próxima à barragem rompida hoje é bem mais habitada que a última tragédia.

“É menor [que a de Mariana], evidentemente, mas é uma região sensível, mais densamente habitada que Mariana. Há uma série de condomínios em ao menos três distritos próximos. É uma região complexa do ponto de vista da habitação humana”, explicou. “Estamos praticamente dentro da Grande Belo Horizonte. Isso muda bastante o cenário do desastre”.

Para além da densa habitação, que pode ocasionar em muitas vítimas, Coelho ressalta que a tragédia poderá trazer “contratempos de ordem fundiária”, uma vez que há muitas chácaras e sítios na região e o preço da terra é valorizado. “Tem um monte de gente que mora ali e trabalha em Belo Horizonte”, pontuou.

A região de Brumadinho compreende ainda a um dos maiores polos de cultivo de bergamota do estado.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum